por Lucas Pasqual

“Um dia, os ácaros ainda vão me arrastar pra fora de casa”, se diverte Deena Love, a respeito de seu amor por músicas e filmes antigos. Foi dessa paixão que nasceu a drag queen, homenagem do cantor Pedro Figueiredo às divas do rádio, em especial Dalva de Oliveira, Carmen Miranda e a norte-americana Dinah Shore, inspiração para a alcunha.

A primeira aparição de Pedro vestido com roupas femininas aconteceu durante um cruzeiro no qual trabalhava, em 2008. “Ser drag é muito bom. Para mim, é mais do que um trabalho, é terapia.” No começo, ele se apresentava inicialmente em casas noturnas da Vila Madalena, em São Paulo, para um público majoritariamente feminino e lésbico. O pai acompanhava eventualmente nos instrumentos, sempre apoiando o talento do filho.

Mas a fama veio com o encantamento que Deena Love causou no The Voice Brasil, em 2014. Na estreia, o estilo visual e musical da drag ficaram evidentes quando ela cantou “Calling You”, de Jevetta Steele, trilha do filme Bagdad Café (1987).

A verdade é que Deena concentra as melhores características de Pedro enquanto artista: “Ela é a apoteose, o suprassumo das qualidades dele.” Na contramão do que é usual entre queens, suas performances trazem músicas antigas, das décadas de 1940 e 1950, predominantemente brasileiras. A produção também acentua esse ar retrô, com perucas e vestidos da época.

Parte importante do processo de criação é Jandir de Castro, namorado de Pedro há dois anos e meio. “Ele está presente não só na minha vida pessoal, mas também na profissional. Construiu muitas coisas comigo.” A colaboração do amado agiliza a montação: Pedro demora mais ou menos uma hora e meia para se tornar Deena. “Ganhei uns 30 minutos desde que passei a raspar a sobrancelha.”

Após a exposição no The Voice, Deena ganhou um público cativo que acompanha sua carreira de perto. O disco de estreia, com composições próprias, está em fase de finalização e deve ser lançado em abril. Sobre a fama, é taxativa: “O mais importante é o prestígio. Fama qualquer um pode ter, independente do que faça. Prestígio é algo que dura a vida toda”.