por Fabiano Tresbach 

“Cambada de mulher promíscua, irresponsável, assassinas, egoístas! Se vcs tivessem vergonha nessas suas caras , assistiriam os inúmeros vídeos de abortos e veriam o sofrimento tanto dos pequenos fetos, quanto os das mães. Será que doar um filho para uma família criar é mais repugnante e cruel do que picotá-lo dentro da barriga e arrancá-lo para fora?”

“Mulherada sem vergonha fica fazendo aborto usa preservativo” [sic]

“O mais escroto é que a doente agradece a mãe e depois fala de aborto, vc não foi abortada filha, por isso tem mãe.”

Essas foram algumas das agressões direcionadas à cineasta Petra Costa após seu discurso de agradecimento pelo prêmio de Melhor Documentário no Festival do Rio de 2015 em reconhecimento a Olmo e a Gaivota.

+ Ariana Grande deixa claro que as mulheres não têm mais paciência para perguntas machistas

De peruca azul, que simboliza a protagonista do filme (Olivia), a também diretora de Elena dedicou o prêmio à sua mãe e às mulheres, dizendo que “em breve eu espero que, no Brasil, toda a mulher tenha soberania total sobre o próprio corpo — seja pra rejeitar uma gravidez, interromper com o aborto (que já é legal há mais de 40 anos na França, nos Estados Unidos, em Cuba), seja pra mergulhar nela como é no caso do nosso filme e ter todos os direitos pra fazer isso da melhor forma. Espero também que nenhuma mulher brasileira sofra machismo verbal ou físico, desde a presidenta, às cineastas, às atrizes, às domésticas.”

Premio Melhor Doc@Festival do Rio“Eu queria dedicar esse prêmio à minha mãe e às mulheres. E que em breve eu espero que no Brasil toda a mulher tenha soberania total sobre o próprio corpo. Seja pra rejeitar uma gravidez, interromper com o aborto que já é legal há mais de 40 anos na França, nos Estados Unidos, em Cuba…Seja pra mergulhar nela como é no caso do nosso filme e ter todos os direitos pra fazer isso da melhor forma. Espero também que nenhuma mulher brasileira sofra machismo verbal ou físico, desde a presidenta, às cineastas , às atrizes, às domésticas…às mulheres!”, disse Petra Costa ao receber o prêmio de Melhor Documentário do Júri Oficial do Festival do Rio l Rio de Janeiro Int’l Film Festival para o filme Olmo e a Gaivota co-dirigido com Lea Glob.No palco com a diretora está a montadora Marina Meliande e sua mãe Li An.Entrevista com a diretora em: http://glamurama.uol.com.br/e-um-tabu-milenar-diz-cineasta-premiada-petra-costa-sobre-gravidez/

Posted by Olmo e a Gaivota on Thursday, October 15, 2015

Nesta terça-feira (3), Petra e o coletivo As Gaivotas lançaram uma campanha em vídeo contra as agressões recebidas, defendendo o filme como um retrato do que passa pela cabeça de uma mulher durante os nove meses de gravidez e questionando por que continuamos tratando o assunto como um tabu milenar.

+ Essas meninas não concordam com padrões impostos às mulheres e têm 5 lições para ensinar

Meu Corpo, Minhas Regras critica a falta de representatividade das mulheres no cinema e se aprofunda em questões sociais mais controversas, como o direito a abortar. O vídeo conta com a participação voluntária de grandes nomes da televisão e do cinema brasileiro, como Bruna Linzmeyer, Barbara Paz, Alexandre Borges e Julia Lemmertz. Vale conferir:

Meu Corpo, Minhas Regras#AgoraÉQueSãoElas: ninguém vai mais calar as questões do feminino.#EveryDaySexism Women’s issues will no longer be silenced.

Posted by Olmo e a Gaivota on Tuesday, November 3, 2015

 
Olmo e a Gaivota acompanha a história de uma atriz, Olivia, que se prepara para encenar a peça A Gaivota, de Anton Tchekov, quando descobre estar grávida. Afastada dos palcos após um acidente, o filme acompanha as transformações no corpo e na vida de Olivia ao longo de sua gravidez e tem estreia marcada para o dia 5 de novembro.

Olmo e A Gaivota – TRAILER OFICIAL (HD)Estreia nacional dia 5 de novembro!Da mesma diretora de ELENA, Petra Costa, dirigido em parceria com Lea Glob, OLMO E A GAIVOTA é uma travessia pelo labirinto da mente de Olivia, atriz que se prepara para encenar A Gaivota, de Tchekov. Quando a peça começa a tomar forma o que parecia ser encenação revela-se como a própria vida. Ou seria o inverso?Site: http://olmoeagaivota.com.br/Instagram: https://instagram.com/olmoeagaivota/Twitter: http://twitter.com/olmoeagaivota/”Um balé entre o que é íntimo e o que inventado.”Rodrigo Fonseca, ESTADÃO”Olmo e A Gaivota é um filme precioso.”Eliane Brum, EL PAÍS”Uma estrutura narrativa desafiadora e fascinante”Pablo Villaça, CINEMA EM CENA

Posted by Olmo e a Gaivota on Friday, October 2, 2015