evolução

Mudança de hábitos

Ativista da redução do lixo no cotidiano das nossas vidas, Cristal Muniz dá dicas para iniciar 2021 produzindo menos resíduos em casa

por Artur Tavares Atualizado em 7 jan 2021, 11h30 - Publicado em 6 jan 2021 01h01
-
Clube Lambada/Ilustração

pandemia do coronavírus iniciada em 2020 trouxe à tona uma reflexão importante em nossas vidas. Falamos muito sobre o excesso de consumo que promovemos como sociedade e todos os impactos ambientais que isso causa. Um dos pontos principais que esse tema toca é na produção de lixo.

Se ficar em casa nos trouxe uma proposta de cortar aquilo que é supérfluo das nossas vidas, também nos apresentou uma realidade cruel. Passamos a fazer mais compras online, e com isso geramos ainda mais lixo em forma de embalagens. Sim, muita gente tentou minimizar o impacto ambiental fornecendo embalagens de papel em vez das tradicionais, de plástico, mas passamos a reciclar mais?

E, mesmo antes da pandemia, você já parou para se perguntar quanto de lixo gera na sua vida? Os nossos alimentos vêm embalados, precisamos de uma série de produtos de limpeza e higiene pessoal, os restaurantes que frequentamos precisam lavar seus utensílios… não importa para onde olhamos, há produção de lixo.

Se essa situação parece incontornável, a ativista Cristal Muniz tem se dedicado a mudar certos padrões de consumo e de comportamento para que possamos fazer nossa parte. Ou, pelo menos, um pouquinho dela.

-
Felipe Machado/Arquivo

Designer gráfica e hoje cursando nutrição, Cristal cresceu na época em que os blogs eram a coqueluche da internet. Um dia, descobriu o trabalho da ativista norte-americana Lauren Singer, e ficou comovida. “Vim morar sozinha no meio da minha primeira faculdade, aqui em Florianópolis, e passei a ficar muito incomodada com a quantidade de lixo que produzia. Me impressionava, porque eu não era uma pessoa com dinheiro suficiente para ser consumista”, explica. “Não comprava roupa toda semana, mas sim comida, pasta de dente, produtos de limpeza para casa.”


“Vim morar sozinha no meio da minha primeira faculdade e passei a ficar muito incomodada com a quantidade de lixo que produzia. Me impressionava, porque eu não era uma pessoa com dinheiro suficiente para ser consumista”

A jovem, hoje com 29 anos, não se considerava uma pessoa muito preocupada com lixo nessa época. Fazia separação de seu lixo para a reciclagem, mas só: “Toda semana, descartava cerca de cinco sacolinhas de resíduo, entre recicláveis e não recicláveis, coisas que iam desde a areia suja da minha gata até o lixo do banheiro.” Mas, nada a incomodava mais do que os restos de alimento, que representam pelo menos 50% de todo o lixo que produzimos em nossas vidas: “O lixo da cozinha me incomodava profundamente, o ritual de colocar o resto das comidas em um saco plástico, que ficava fedorento ao longo dos dias, e depois jogar no lixo do prédio.”

O trabalho de Lauren Singer no blog Trash is for Tossers inspirou Cristal a tentar algo impensável para muitos de nós: ficar um ano sem produzir lixo, trabalho que ela decidiu compartilhar no blog Um Ano Sem Lixo – e que hoje, com muito sucesso, se tornou Uma Vida Sem Lixo. Não é que Cristal não produza absolutamente nenhum resíduo, mas dá para dizer que ela virou sua vida de cabeça para baixo a fim de encontrar soluções sustentáveis para sua existência terrestre.

Continua após a publicidade

“Logo no início das pesquisas, descobri que tinha muita coisa que não saberia responder para os leitores, ou para mim mesma. Percebi que aquele ano seria um aprendizado de como ficar sem produzir lixo”, conta Cristal. Fez sucesso e, de repente, ela encontrou online uma audiência que, como ela, estava incomodada com a maneira que se relacionava com o meio ambiente. Hoje, ela é uma das maiores autoridades no assunto aqui no país e palestrante requisitada.

Mas, mudar de hábito não é fácil, principalmente se você quer fazer uma revolução particular. Cristal entendeu isso logo nos primeiros dias em que passou a reduzir a quantidade de lixo que produzia: “Eu me questionava quais os primeiros passos, porque tudo o que fazemos produz lixo, e são muitas coisas possíveis de se fazer. Então, bolei um kit lixo zero”, explica. “Na época, eu trabalhava em um jornal, então produzia resíduos descartáveis durante as refeições. Preparei guardanapos de pano, um copo só meu, talheres, e passei a andar com tudo dentro de um potinho, na minha bolsa.” Depois, Cristal comprou uma composteira para sua casa e um coletor menstrual. “Resolvi o problema do lixo orgânico, algo que detestava, e passei a evitar o uso de absorventes descartáveis. Meu primeiro foco foi resolver os lixos que nem eram recicláveis, que param direto em aterros sanitários.”

-
Felipe Machado/Arquivo

A ativista percebeu que as grandes mudanças estavam nas pequenas atitudes. Trocou o papel higiênico por um ducha higiênica. Encontrou uma loja de produtos a granel para não precisar comprar arroz, feijão e outros alimentos embalados em plástico – ela leva seus próprios potes e enche com a comida –, passou a fazer seu próprio sabão líquido e sua pasta de dente. “O mais difícil em relação aos hábitos é quando você está lidando com outras pessoas. Causa estranhamento ter que pedir sem sacolinha, explicar que é para por diretamente no seu pote, em vez da embalagem. É mais difícil mudar quando envolve relações sociais”, ela conta.

Se você chegou até aqui e está achando muito complicado aplicar essas noções para a sua vida, fique tranquilo, pode ser só preguiça de tentar. Cristal afirma que todas as suas dicas são extremamente fáceis de fazer, e que suas receitas duram bastante, não se tornam algo oneroso no cotidiano de quem sai todo dia para trabalhar e chega à noite em casa. “Faço desodorante a cada dois meses, sabão líquido também. Vinagre é só deixar cascas de fruta com água e açúcar em um pote. O pó dental, se eu cronometrar, demora dois minutos entre levantar da cadeira, pegar todos os potinhos com os ingredientes, misturar no potinho do pó dental, fechar, guardar e botar o potinho no banheiro”, ela diz. “Eu diria que produzir lixo, levar uma vida comum, é mais trabalhoso. Você tem que desembalar as coisas, descartar embalagens, lavar embalagens, abrir as compras e botar em outros potes. Acho que dá mais trabalho. Porque não produzir lixo é simplificar a vida, precisar de menos coisas.”

Nós pedimos algumas dicas de como reduzir o lixo para Cristal, um incentivo para que nosso 2021 seja diferente. Confira:

Continua após a publicidade

xx

Comece pelo que você menos gosta de produzir


Todo mundo se incomoda com algum tipo de lixo que produz. Tente partir daí, do que você mais detesta. Porque, quando você conseguir, vai se sentir motivado para mudar outro hábito.

xx

Substitua as coisas conforme elas forem acabando


Você não vai precisar jogar nada fora, o que seria um desperdício, e vai ter tempo para se planejar e pesquisar como fazer essas trocas de produtos. Seu shampoo está para acabar? Comece a procurar alternativas de como lavar os cabelos sem produzir lixo.

xx

Mantenha o hábito


Fique craque na produção de um novo item de consumo, e depois parta para a próxima mudança. Se você quer fazer compras a granel, tenha certeza de que você parou de usar embalagens plásticas e não está esquecendo nenhum produto antes de fazer outra mudança. Se você começar pelo kit lixo zero, primeiro se acostume com o guardanapo de pano antes de partir para o uso do próprio copo, senão você pode se atrapalhar com os dois, esquecê-los de um dia para o outro em casa e não levar para o seu trabalho.

xx

Faça sabão líquido natural


Para reduzir todas as embalagens de produtos de limpeza em uma tacada só. É só ralar uma barra de 200 gramas de sabão de coco e misturar com 3 litros de água fervendo. Espera derreter o sabão, desliga o fogo, adiciona 50 ml de álcool 70% ou 92%, ou 100 ml de álcool comum, e três colheres de sopa (com o medidor) de bicarbonato de sódio. Ele fica bem líquido mesmo, não estranhe, mas serve para lavar roupas e louças. Uma boa dica é colocar o sabão em uma embalagem com spray, para usá-lo na limpeza de vidros, espelhos, do chão, do fogão, bancadas, móveis, tudo.

xx

Além disso, faça vinagre caseiro


Ele pode ser usado na alimentação, e muito mais. Serve para tirar cheiro de xixi da caixinha dos gatos, por exemplo.. Passo, deixo alguns minutos e depois enxáguo. Também uso no lugar do amaciante, na máquina de lavar roupa. Ele é ácido, ajuda a tirar o mofo e o cheiro ruim, e ajuda a amaciar as fibras. Mas, não faz tanta diferença porque o sabão líquido não deixa as peças ressecadas. E, também uso de vez em quando no cabelo, porque ele fecha as cutículas dos fios, deixa o cabelo bem sedoso e brilhante. E, para fermento em bolos. Não compro fermento convencional, faço uma mistura de bicarbonato e vinagre.

Para fazer, é muito simples. Você pega cascas e miolos de seis maças, ou casca de um abacaxi, e coloca em um pote e cobrir com cerca de 2 litros de água, com duas colheres de sopa de açúcar. Cobre com um pano e um elástico para não atrair nenhum bichinho. Mexe três vezes ao dia. A partir desse momento, vai começar a gerar bolhas. É preciso esperar as bolhas pararem de aparecer. Coa com um pano para eliminar todos os resíduos e pode começar a usá-lo. No verão, todo o procedimento leva cerca de uma semana. No frio, pode demorar um pouco mais.

xx

Preste atenção nas coisas que você faz

Perceba se você faz porque quer mesmo, se existe uma intenção, ou se você está de alguma maneira no modo automático. Simplifique sua vida e gaste menos tempo eliminando aquilo que não serve, use seu tempo para fazer aquilo que realmente importa. Muita gente quer ler mais, cozinhar mais, fazer mais passeios. Pra isso, deixe de fazer coisas que não fazem sentido.

xx

Use cosméticos em barra


Normalmente eles são comercializados sem embalagens plásticas. Você consegue comprar desde shampoo até desodorante e pasta de dente. Você pode fazer pasta de dente em pó, misturando pó de casca de juá, cravo em pó, folha de stevia em pó ou xilitol e bicarbonato de sódio. Se quiser, pode adicionar óleo essencial de hortelã pimenta, mas não é necessário. Trata-se de um item caro.

Tags Relacionadas
mais de
evolução
Photo mode, função popularizada para capturar imagens nos games, dá origem a nova linguagem criativa e gera debate sobre direitos autorais
capa

Racismo em tempos ultraliberais

Por
Autor das ideias mais contundentes sobre branquitude na atualidade, Lourenço Cardoso propõe novos paradigmas para uma época sombria
Teoria de Viktor Frankl sobre o “otimismo trágico” explica que dar sentido a situações extremas ameniza o sofrimento psíquico
nós_vetor

A primeira distopia

Por
Comemorando 100 anos, o livro “Nós”, do russo Yevgeny Zamyatin, nos convida a refletir se já vivemos em uma espécie de totalitarismo
tempo-elastica-10

Fora do tempo

Por
É possível ter uma relação diferente com o calendário, longe da lógica da pressa e dos boletos; os antigos maias ajudam a entender como