estímulos

Vem pro sexual-care!

Conheça o movimento que busca pensar o sexo como um momento de autocuidado

por Lucas Assunção Atualizado em 23 fev 2021, 14h23 - Publicado em 23 fev 2021 00h30
-
Clube Lambada/Ilustração

omo seres sexuais, como reagimos a um momento em que o toque do outro, especialmente o romântico, foi reduzido a pouco ou nada? Os impactos psicológicos da quarentena foram inúmeros e diferentes: alguns observaram uma grande perda na libido, outros, um aumento enorme devido à abstinência. O OnlyFans decolou no ano passado – pesquisas apontam que as buscas dobraram entre março e junho do ano passado – e a pornografia solo e amadora apareceu como forma de aliviar a ausência do toque e do outro. Mas será que a troca de nudes, o sexo virtual e a masturbação nos basta, ou precisamos encontrar uma forma de ter relações mais profundas com nós mesmos? Não pense que estamos falando sobre relações sexuais apenas amorosas ou que o sexo pelo sexo não basta. É bem o oposto. Estamos falando do sexual-care.

Talvez você ainda não tenha ouvido essa palavra, mas a proposta deve soar familiar. O sexual-care propõe uma relação mais profunda com o sexo (seja ele solo ou acompanhado), uma proposta de autocuidado através do sexo. Afinal, a atividade é algo natural para a grande maioria de nós e que pode desempenhar uma função de autoconhecimento e cuidado com o self. Clariana Leal é educadora sexual e sócia da sexshop Climaxxx, primeira sexshop focada no prazer feminino, surgida em 2016. Ela aponta que esse movimento ainda demorou para chegar: “Finalmente temos um movimento mais sólido, com nome e sobrenome, para lembrar que a sexualidade humana importa, e que é totalmente sobre singularidade, delicadezas e potências.”

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por @lubs

Continua após a publicidade

Se o skincare ganhou o mundo da beleza e do bem-estar propondo o cuidado com a pele como um momento quase ritualístico de relaxamento, autocuidado e conhecimento, o sexualcare (não por coincidência) tem uma proposta similar. Isto é, entender o sexo como um momento de autocuidado e respeito ao próprio corpo, sem julgamentos ou tabus pré-existentes. “Sexualcare também não é pra ser apenas a moda do momento que gira em volta de certos produtos, e sim um olhar cuidadoso para uma parte tão importante da nossa existência, que é nosso conforto com o próprio corpo e com a sexualidade.” aponta Clariana sobre a relação desse movimento com o já conhecido (e extremamente capitalizado) skincare.

“Sexualcare também não é pra ser apenas a moda do momento que gira em volta de certos produtos, e sim um olhar cuidadoso para uma parte tão importante da nossa existência, que é nosso conforto com o próprio corpo e com a sexualidade”

Clariana Leal

Apesar disso, algumas marcas encabeçam esse movimento e apresentam uma proposta de produtos que buscam criar um ambiente de conforto e autocuidado. A Lubs, nascida em outubro de 2020, se intitula uma marca de sexual-care e que “traz ideias e produtos para uma sexualidade mais livre e transbordante”, criando e comercializando produtos como lubrificantes, sabonetes e velas aromáticas, por exemplo. Chiara Sandri, da Lubs, aponta que “autocuidado, autoconhecimento e sexo caminham juntos. Olhar para si mesmo é o primeiro passo para melhorar a sua vida sexual. Você passa a entender o que realmente gosta e te dá prazer. Com a Lubs, espero levar autocuidado, mais liberdade para as pessoas se conhecerem e se sentirem confiantes e tranquilas ao comprar produtos deste mercado.”

-
Mitra/Divulgação

Por outro lado, a Mitra Objects, que produz objetos de cristais para o autoconhecimento, prazer e bem estar, surgiu em 2015, quando o termo ainda não era amplamente usado. Mas, em entrevista, Tatiane Freitas, fundadora da marca, conta que a marca se identifica com o termo cunhado hoje. “Entendemos que o sexo vem de se relacionar amorosamente consigo e com o outro. Conhecendo seu corpo, o que lhe dá prazer e buscando essa liberdade de troca com o parceiro, o sexo sai desse lugar ‘fantasiado’ e entra no espaço de verdade para todos. Esse lugar de verdade vem do autoconhecimento, por isso a importância de conhecer seu corpo e mente para fluir naturalmente.” continua.

Continua após a publicidade

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por @lubs

O isolamento

Apesar de entendermos o wellness como um movimento que busca o bem estar em diversos aspectos, não se pode descartar a pandemia como um catalisador para o movimento do sexualcare. Segundo pesquisa da Juniper Research, o mercado de brinquedos sexuais experienciou um aumento de 86% mundialmente.

“Acredito que a pandemia e o isolamento social fizeram as pessoas repensarem suas vidas como um todo: consumo, relacionamento, saúde, alimentação, sustentabilidade e por aí vai. Quando estamos sozinhos, de uma maneira ou de outra, somos ‘forçados’ a nos conhecer. E isso reflete em todos os sentidos, em especial quando falamos sobre sexualidade e cuidado. Pensar no que você coloca dentro do seu corpo, em uma área tão intima e prazerosa passa a ser fundamental.” conta Chiara, da Lubs.

Tatiane, da Mitra, aponta que as vendas aumentaram durante a quarentena e concorda: “O isolamento acabou virando uma chave nesse assunto que estava no automático. As pessoas começaram a entender que o autoconhecimento é importante para viver bem e feliz.”

“Quando estamos sozinhos, de uma maneira ou de outra, somos ‘forçados’ a nos conhecer. E isso reflete em todos os sentidos, em especial quando falamos sobre sexualidade e cuidado. Pensar no que você coloca dentro do seu corpo, em uma área tão intima e prazerosa, passa a ser fundamental”

Chiara Sandri

Clariana Leal reitera: “Acho que esse movimento cresceu tanto nesse período não por acaso. Fomos obrigados a enfrentar nosso corpo e nossa sexualidade sem os inúmeros ruídos do dia a dia na cidade. Ter que lidar com os desejos, flutuação de libido e novos momentos no meio dessa loucura toda acabou trazendo essa urgência no olhar mais íntimo pro cuidado da sexualidade.” Sobre como o isolamento fez com que todos repensássemos nossas relações sexuais, mesmo para as pessoas isoladas com seus parceiros, ela completa: “Muitas pessoas isoladas com seus parceiros e parceiras precisaram adaptar todo o arranjo da relação. Quem estava sozinho, privado de um contato com o outro e não tendo outro jeito senão aprender a se satisfazer 100% solo, também. Foram e continuam sendo impulsos importantes para seguir nessa jornada que é infinita e não linear, mas necessária.”

Continua após a publicidade

-
Mitra/Divulgação

Autocuidado para quem?

Quando pensamos em sexo, autocuidado e a sexualidade como tabu, inevitavelmente pensamos em: para quem? Quais são os principais públicos que enfrentaram a repressão de sua sexualidade socialmente e, hoje, buscam novos processos e sensações para se reconectar com o sexo?

Clariana Leal aponta que esse movimento do sexualcare é principalmente importante e para pessoas LGBTQIA+: “Porque, para muitos de nós, mulheres e pessoas LGBTQIA+, sexo era ensinado como dever, fomos ensinados a servir e não a usufruir do prazer, ou impor os limites que são tão necessários. Então, olhar pro cuidado do bem estar sexual é uma das ferramentas mais libertadoras e eficazes para quebrar esse ciclo vicioso de repreensão.” Faz sentido: entender o sexo como autocuidado, como um momento pessoal e intransferível pode ser um passo importante para nos tirar de uma posição de dever, de piloto automático e até de repressão.

“Para muitos de nós, mulheres e pessoas LGBTQIA+, sexo era ensinado como dever, fomos ensinados a servir e não a usufruir do prazer. Então, olhar pro cuidado do bem estar sexual é uma das ferramentas mais libertadoras e eficazes para quebrar esse ciclo vicioso”

Clariana Leal

Chiara, da Lubs, concorda e reitera que falar sobre prazer e sexo ainda é um tabu muito grande para alguns grupos sociais, o que cria ainda mais barreiras para as pessoas usarem produtos sexuais menos tradicionais, como os lubrificantes criados pela marca. “Eles geralmente ficam escondidos nos armários, gavetas e nécessaires. A Lubs quer falar sobre sexualidade de uma forma natural.” Ela continua, pontuando que isso reflete diretamente na capacidade de sentir e viver o prazer. “A ideia da Lubs é normalizar o prazer e trazer uma discussão o mais clara e natural possível, de forma sofisticada, sem gênero e inclusiva.”

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por @lubs

Até porque o sexo nem sempre precisa ser algo grande e significativo. Mas a sensação de se sentir confortável, até para desprovê-lo de significado, vem do autoconhecimento e da criação de uma relação saudável consigo e com o outro. “Acho que nem conseguiria não relacionar uma coisa com a outra. Sexo, pelo menos pra mim, é sobre prazer e consentimento. Prazer e consentimento são sobre limites e belezas nos sentidos. Se isso não é sobre autocuidado puro, não sei mais o que seria.” finaliza Clariana Leal.

Continua após a publicidade

Os nossos produtos preferidos

Nossa redação ficou animada em conhecer o sexualcare, e colocou em prática o uso de alguns dos produtos citados nessa reportagem. Aqui, deixamos um breve guia para que você possa escolher melhor.

-
Lubs/Divulgação
Lubs

Gel lubrificante Jambu Vibes – A cantora paraense Dona Onete diz em uma de suas músicas mais famosas que o “jambu treme”. Se é verdade que essa planta tem a capacidade de balançar o corpo, esse gel lubrificante super concentrado tem um efeito vibratório que vem do jambu, além de um sabor de blueberry. Assim como todos os outros lubrificantes da Lubs, esse produto é vegano e livre de crueldade animal, totalmente natural e com embalagem 100% reciclável.

Vela Turn me on – Quem não gosta de um pouco de ambientação está perdendo muito na hora do sexo. Essa vela vegana tem aroma das notas mais quentes da baunilha, e um toque de flor de tabaco, criando uma fragrância afrodisíaca para os momentos a dois (ou três, ou quatro, ou quantos você quiser).

-
Mitra/Divulgação
Mitra Objects

Coleção Lindy – Feitos de diferentes tipos de cristais, os massageadores da coleção Lindy têm diferentes pontas, ótimas para descobrir novos erógenos durante os exercícios pélvicos. Podem ser utilizados também como massageador em todo o corpo, ajudando na liberação das tensões cotidianas. A coleção apresenta as seguintes opções de cristais:

Cristal Transparente: Equilibra as emoções e pensamentos. Acalma a alma e protege contra energias negativas.
Jaspe Vermelho: Protege contra as energias negativas. É recomendada para questões relacionadas à saúde do fígado, do estômago e bexiga. Auxilia também o sistema nervoso.
Obsidiana:Esta pedra desbloqueia o inconsciente e ameniza o ego. Ela é conhecida pela propriedade de cura do sistema digestivo.
Quartzo Rosa: Esta pedra emana amor, aumenta a confiança e, ao mesmo tempo, elimina as vibrações negativas derivadas da angústia, raiva, medo, culpa ou ciúme.
Quartzo Verde: É conhecida pela propriedade de estimular a coragem, paciência e criatividade. Transmite segurança.
Sodalita: É a pedra da clareza e tranquilidade mental. Contribui para a expressão criativa e a descoberta do Ser único.
Ametista: Aprimora a transição da nossa natureza inferior para uma percepção mais elevada. Também está relacionada aos aspectos sociais, como a amizade.

plug Elo - Mitra
Elo – Para quem quer estimular duas zonas erógenas ao mesmo tempo, mas não quer um sexo à três, o plug anal e massageador corporal Elo pode ser a solução. Disponível nas mesmas opções de cristais da coleção Lindy, o Elo também tem uma versão transparente, cujos benefícios são equilibrar as emoções e pensamentos, acalmar a alma e proteger contra energias negativas.

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
estímulos
O machismo e a sociedade patriarcal fazem parecer que não, mas abusos sexuais e até estupro são naturalizados em muitas situações entre homens gays
O termo, popular entre os médicos, define pessoas que ainda não se sentem seguras para retomar a vida social e profissional fora de casa
Perguntar é fácil, mas ainda é preciso falar sobre e entender porque quase 80% da população brasileira não usa preservativo na hora de transar
juliana-frug-elastica-nao-monogamia01-estatico

Por dentro da não-monogamia

Por
Como seria o mundo se a ideia de fidelidade não fosse protagonista nas relações? Batemos um papo com pessoas não-mono para tentar entender
1-fetiches

Elástica explica: fetiches

Por
Listamos alguns fetiches – dos mais comuns aos raros e um pouco esquisitos – para te lembrar que, na hora do sexo, vale (quase) tudo

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.