evolução

Especial Manaus: o último adeus

Sem funerais abertos e sem espaço para tantos corpos chegando ao mesmo tempo, como é o drama de quem precisou enterrar entes queridos na pandemia?

por Erika Sallum 27 ago 2020 02h00
O

cemitério municipal Nossa Senhora da Aparecida, em Manaus, ganhou fama macabra no início da pandemia, quando a capital do Amazonas se tornou um dos epicentros mundiais das contaminações. Dos Estados Unidos até a Austrália, jornais e revistas de vários países estamparam as enormes valas abertas às pressas para receber centenas de vítimas da covid-19. Além dos coveiros fazendo hora extra paramentados com roupas de plástico cavando buracos em um calor infernal, outra imagem local ficou gravada na memória: o mar de cruzes azuis.

Essa é a quarta parte do nosso especial sobre a pandemia do coronavírus em Manaus. A primeira, sobre um funeral realizado em casa contra todas as normas de segurança devido à pandemia do coronavírus, você confere aqui.

Leia também a segunda reportagem da nossa série, sobre a precariedade em infraestrutura que boa parte da capital amazonense sofre.

Na terceira parte, mostramos a rotina e os improvisos dos médicos e profissionais de saúde para conter uma crise que só aumentou com o passar dos dias. Leia aqui.

Continua após a publicidade

◊ ◊ ◊ ◊ ◊ ◊ ◊ ◊ ◊ ◊

Feitas de madeira barata, mal cortadas

e mal pintadas ali mesmo entre os túmulos, as cruzinhas quase singelas se tornaram símbolo de uma cidade sem recursos ou conhecimento para lidar com a doença (ou com o desmatamento, o garimpo ilegal, a ocupação urbana desordenada). Porta de entrada de importações, Manaus recebeu o vírus misterioso a partir de sua zona portuária, e o desgraçado se comportou como fagulha em palheiro, espalhando-se velozmente por bairros pobres. Só no Amazonas, segundo dados oficiais, foram mais de 116 mil casos e 3.500 mortes — mas esses números são pouquíssimo confiáveis, em especial diante de uma leva gigantesca de óbitos de causas mascaradas pelas autoridades.

-
Caio Guatelli/Fotografia

Se o governo conseguiu esconder tantas vítimas em seus gráficos, o cemitério de Nossa Senhora da Aparecida fez o contrário, escancarando os mortos sob cada cruz azul mal ajambrada. Para conseguir uma dessas cruzes identificando seu ente querido, é preciso desembolsar 120 reais. Quer acrescentar a data de nascimento e morte? Mais 120 mangos, com o serviço feito ali mesmo, na hora do enterro, com pincel e tinta preta.

-
Caio Guatelli/Fotografia

A despedida fica ainda mais dolorida na era do coronavírus. Morto de covid não pode ter velório. Em um espaço a poucos metros das valas, foi montado um toldo, e cada família tem 5 minutos para dar o último adeus, em uma cerimônia deprimente onde o som do lamento cronometrado se mistura ao de escavadeira barulhenta abrindo mais buracos de uns 15 metros de largura por 2 metros de altura, suficiente para caber muitos cadáveres. Após a transação financeira, além da cruz, é colocada uma moldura de madeira “mais ou menos” onde deveria estar cada corpo, porém tudo é meio aproximado, ainda mais na correria contra o temporal diário que assola o lugar.

-
Caio Guatelli/Fotografia

Tempestade ali parece música de Chico Science — vira rapidamente uma cena da lama ao caos. O cemitério, o maior da cidade, foi erguido em um terreno inclinado. O aguaceiro transforma o chão de terra em lodo, que vai escorrendo morro abaixo, formando riachos lúgubres que varrem tudo o que vê pela frente, incluindo os parentes dos defuntos. Não há guarda-chuva comprado em camelô que resista. O chinelo de dedo, mesmo ali no meio das covas, quase vai embora junto com a chuva forte.

-
Caio Guatelli/Fotografia

Os caixões não são lacrados, e muita gente que morreu de covid, mas não tinha atestado, acabou parando no Nossa Senhora da Aparecida. Nesse caso, a família costuma pressionar para o coveiro não enterrar o parente na ala do coronavírus. Ninguém quer ficar marcado, então melhor dizer que a pessoa morreu de morte morrida mesmo.

-
Caio Guatelli/Fotografia

Os jornalistas podem acompanhar os cortejos fúnebres, no entanto apenas por duas horas, das 9h às 11h. Com “sorte”, pegam uma chuvarada e conseguem ficar um pouco mais e fazer fotos dramáticas de um cemitério cercado pela maior floresta do planeta, enfeitado com cruzinhas azuis.

Seria até bonito, se não fosse o retrato de um Brasil que tem tanta riqueza, mas acaba quase sempre na lama.

Tags Relacionadas
mais de
evolução
Fundada em meados de 2003 por Lord A, rei da dinastia Sahjaza, a Rede Vamp é uma das maiores comunidades vampíricas do país
nudes-violencia-abre

O corpo e o crime

Por
Antropóloga Beatriz Accioly Lins lança livro investigando violências sofridas por mulheres que compartilham nudes
Especialistas explicam que a pandemia deixou a internet mais propícia para ofensas, mas a inteligência das plataformas também tem sua responsabilidade nisso
Ao embranquecer populações nipônicas, árabes e indianas, apagamos suas origens e culturas. A pesquisadore Caroline Lee propõe um resgate de ancestralidades
No livro “O Instagram está padronizando os rostos?”, autora acende o debate da pasteurização das características individuais e tenta entender essa busca

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.