envolvimento

Retrospectiva: Corpos negros em pauta

No país em que o racismo estrutural ainda está para ser resolvido, exaltamos os pretos na construção de uma nova narrativa social

por redação Atualizado em 23 dez 2020, 18h37 - Publicado em 22 dez 2020 01h20

Brasil. País em que 56% da população é preta ou parda, mas que ainda considera os negros como um grupo minoritário. O que explica uma hegemonia branca por aqui, a não ser a autoimposição? Somos uma nação construída sobre sangue negro, com um histórico perverso de escravidão e colonialismo que nunca superamos de verdade.

Se em algum momento no início desse século houve a impressão de que essa situação poderia mudar, a política e a sociedade hegemônica reagiram brutalmente nos últimos anos, agindo em prol de um retrocesso que jogou os indicadores de desigualdade sociais em níveis alarmantes. Hoje, 75% de todas as mortes que acontecem em ações policiais no Brasil são de negros. A cada 23 minutos, um jovem negro é morto no país. A renda média de uma mulher preta não chega aos R$ 1.500.

Mesmo em um contexto tão cruel, ainda há esperanças. A eleição de Jair Bolsonaro e de toda uma leva de conservadores causou na sociedade uma reação de mesma força e sentido inverso, assim como é uma das leis físicas da termodinâmica, e agora, mais do que nunca, os negros se tornaram voz ativa na sociedade, em busca de um pouco mais de justiça. Se 2020 foi o ano da morte do norte-americano George Floyd e do nascimento do movimento Black Lives Matter, aqui na Elástica não faltaram exemplos de luta, de glória e de exaltação. Você confere um pouco dessas histórias a partir de agora.

-
Breno da Matta/Fotografia

Quando deuses passam dias entre nós

Estreamos a Elástica, em 1º de junho, com um ensaio visual feito por um artista que admiramos muito. Maquiador e performer, Alma Negrot tem revolucionado a noite paulistana com suas aparições eletrizantes, customizações que reinterpretam os mais diversos da cultura pop. Aqui, convidamos Alma Negrot para pensar em divindades belas e profanas, uma reflexão sobre o mundano.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

-
Felipe Braga/Fotografia

Fala na cara!

Mulher, negra, bissexual, mãe solo, funkeira de proibidão. A carioca MC Rebecca é um fenômeno da música brasileira, uma cantora que transita por espaços marginais enquanto busca seu lugar ao sol. Em pleno início da pandemia da covid-19, conversamos com ela sobre trabalho e sexo.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

-
Fred Nicácio/Divulgação

“Precisava o George Floyd morrer para lançarem um band-aid preto?”

Dermatologista de sucesso, e agora um dos apresentadores do novo Queer Eye Brasil, Fred Nicácio sempre foi um ativista da beleza negra e da representatividade dos corpos pretos. Acreditando que é possível vencer o racismo através da imagem, ele falou sobre medicina e sociedade nessa entrevista.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

-
Escola de Mistérios/Divulgação

A música eletrônica é negra

Assim como o rock ‘n’ roll, que teve suas origens negras apagadas quando o gênero musical se tornou um sucesso, a house music tem suas origens dentro de guetos nos Estados Unidos. Uma derivação da disco e do soul, a house hoje é um dos estilos mais lucrativos do planeta. Aqui no Brasil, alguns coletivos e artistas tentam resgatar essa identidade. Nós conversamos com eles.

Continua após a publicidade

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

Clarice Lispector e Carolina Maria de Jesus, duas escritoras que se admiravam mutuamente
Clarice Lispector e Carolina Maria de Jesus, duas escritoras que se admiravam mutuamente Acervo Clarice Lispector, Instituto Moreira Salles / Intervenção/Redação

O (novo) renascimento de Carolina Maria de Jesus

Uma das maiores autoras da literatura nacional, Carolina Maria de Jesus é também uma das escritoras menos exaltadas por aqui. 60 anos após o lançamento do livro autobiográfico “Quarto de Despejo”, sua obra retorna à luz com relançamentos, enquanto seu legado é ressignificado para os novos tempos.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

-
Pinacoteca do Amazonas/Reprodução

Hahnemann para uma nova geração

Havia, no final dos anos 1960, um jovem extremamente promissor nas artes em Manaus. Considerado o Gaugain da Amazônia, Hahnemann Bacelar morreu de maneira misteriosa e brutal em 1971, e sua história não foi contada desde então. Até agora.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

-
Pétala Lopes/Fotografia

Hélio Menezes como fruto de seu tempo

Responsável pela curadoria do Ciclo Afro-Atlântico, realizado pelo Museu de Arte de São Paulo (MASP) em 2018, Hélio Menezes tem como trabalho recuperar memórias e raízes a fim de reescrever a história dos negros no mundo ocidental.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

-
Rodrigo Stutz/Divulgação

Um brasileiro preto no Emmy (pela segunda vez)

Na pele de Evandro do Dendê, o ator carioca Raphael Logam vem colocando em pauta todas as nuances do que é viver como um homem preto marginalizado no Brasil. O sucesso da série “Impuros” lhe colocou na disputa pelo Emmy Internacional pela segunda vez consecutiva agora em 2020. Nós conversamos com ele.

•  •  •  •  •  •  •  •  •  •

-
Jef Delgado/Fotografia

Ser um homem negro no Brasil

O que é, afinal, ser um homem preto no Brasil? No país que ainda hiperssexualiza seus corpos e espera que o sucesso venha através dos esportes ou da música, convidamos cinco caras para falar sobre quebras de preconceito e impor uma nova masculinidade a todos nós.

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
envolvimento
Conversamos com o influenciador sobre o significado do termo, representatividade PCD na mídia e expressões que oprimem pessoas com deficiência
Pré-candidata à deputada federal, a indígena Sônia Guajajara adota estratégias modernas de combate contra o fascismo institucional
expedicionariasabre-

A vez das expedicionárias

Por
Pela primeira vez, mulheres indígenas abrem caminho para salvar os povos mais isolados da Amazônia
abre-maes-solos-13

Quem cuida das mães solo?

Por
Reunimos relatos de mulheres que já passaram por situações negativas apenas por estarem com seus filhos, escancarando nossa sociedade individualista
Oito das doze escolas do Grupo Especial carioca desfilam com enredos sobre a cultura negra, mas nenhuma tem carnavalescos negros

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.