expressão

Diego Cruz na Cama Elástica

Em nosso questionário, o ator e influenciador conta como foi das redes sociais às telas da televisão

por Beatriz Lourenço Atualizado em 11 Maio 2022, 10h51 - Publicado em 11 Maio 2022 01h03

Nos últimos anos, a internet tem sido uma fonte de revelação de novos artistas. Há quem use as redes sociais para cantar, fazer coreografias ou mesmo criar roteiros de ficção. E foi nessa onda que o influencer Diego Cruz conseguiu se lançar na carreira de ator. “A internet veio para democratizar as oportunidades que muitos artistas não tinham. Se você tem uma boa ideia, conceito e visão, há a possibilidade de alcançar muita gente – e isso abre portas”, conta à Elástica.

-
Arte/Redação

A vontade de criar esquetes cômicas no TikTok veio durante a pandemia, quando foi colocado de férias de seu trabalho com vendas internas. Para não ficar ocioso, o ator estudou a plataforma, organizou as metas e criou um nicho. “Pesquisei sobre algoritmos, aprendi a usar o app e postava dois vídeos por dia com muita vontade de fazer dar certo. Para mim, nunca foi uma brincadeira.” E o esforço rendeu frutos logo na primeira semana, quando uma paródia de Masterchef impactou milhares de pessoas. Hoje, Diego conta com 7,4 milhões de seguidores no TikTok e 2,5 milhões no Instagram.

​​

Os vídeos curtos contam com paródias de filmes clichês e cenas que atravessam o cotidiano de qualquer pessoa, como uma professora ajudando o aluno nas questões mais difíceis da prova ou a mãe dando aquela bronca quando chega em casa. “Preciso ter um olhar muito observador, até quando saio para um restaurante com os amigos posso tirar ideias. Minha mãe é professora, também já pedi várias dicas para criar vídeos”, revela. 

Em abril, o ator estreou na Rede Globo, na novela Quanto mais vida, melhor, para interpretar São Judas Tadeu. “Já cheguei com a oportunidade de conviver com uma galera de altíssimo calibre, como Elizabeth Savalla, Marcos Caruso. A estrutura também é completamente diferente! Em casa, gravo com o meu celular e a Globo tem as câmeras mais caras e de alta qualidade. É a realização de um sonho.” Com muito humor e a indecisão de um pisciano, ele enfrentou nossa Cama Elástica, que você confere baixo:

Cama Elástica

Continua após a publicidade

Qual sua qualidade favorita sobre você mesmo?
É a determinação. Sou muito focado! Se tenho um objetivo, vou com unhas e dentes para alcançá-lo.

Que defeito seu você jamais mudaria?
Essa é difícil! Eu falaria perfeccionismo, mas tem essa piada de que é o que falam na entrevista de emprego porque não é bem um defeito. Ainda assim, é algo que às vezes me atrapalha e me desgasta, ao mesmo tempo, jamais mudaria porque é por conta dele que o resultado de muitas coisas surgem.

Onde você procura buscar inspiração naqueles dias em que não quer sair da cama?
Quando o dia não está muito legal gosto de sair de casa, dar uma volta e respirar um ar. Caminhar em locais arborizados me ajuda até a me inspirar para os vídeos. Além disso, procuro fazer uma reflexão sobre as coisas pelas quais preciso ser grato.

Qual música não envelhece, não sai da sua lista de preferidas?
U2 – With or without you.  

Qual livro e/ou filme mudou sua vida? por que?
O livro O poder do hábito. Ele me abriu a mente para muitas coisas, me ensinou muito sobre como posso ser protagonista das minhas ações no dia a dia e a melhorar meu rendimento e a minha forma de trabalhar.

Descreva uma noite ideal para você
Estou muito desacostumado de sair por conta da pandemia, então diria que estar com a minha namorada e amigos. Também gosto muito de algo relax em casa, ver uma boa série e pedir comida japonesa. 

Dê uma gongada gratuita em alguém
Vou gongar o Raphael Vicente, que já foi entrevistado aqui, porque ele não foi no meu aniversário. Ele estava nos Estados Unidos, todo chique, mas eu não perdoo não.

-
Arte/Redação

Como foi seu primeiro beijo?
Foi na escola, meio estranho, fiquei sem saber o que estava fazendo direito. Não teve nada de maravilhoso e nem de muito dramático, foi meio qualquer coisa. 

Continua após a publicidade

O que você diria para o maior desamor da sua vida (até agora)?
Sem querer dar uma de iluminado, faço um exercício de não guardar rancor e desejar para essa pessoa um caminho de luz. Diria que a gente não vai combinar mais na rotina, mas desejo tudo de melhor. Não gosto de cultivar desafetos.

O que é imperdoável para você em uma relação?
A quebra de confiança, independente se é amizade ou relação amorosas. Existem lugares da nossa confiança que são delicados. 

De qual trabalho seu você mais se orgulha?
Me orgulho muito do que construí em relação à criação de conteúdo porque partiu totalmente de mim, do meu empenho e da minha força de vontade. E hoje tem uma galera que me acompanha e busca alegria através desses vídeos. Isso é muito importante e legal de ver.

Qual a frase mais sábia que já te disseram?
Minha mãe sempre diz para eu fazer as coisas sem esperar muito dos outros. Acho que quando eu era mais novinho, exigia muita reciprocidade em tudo. Mas aprendi que só fazer o que tenho vontade sem receber nada já está valendo. 

Qual seria o título da sua biografia?
Essa é muito difícil! Sofro muito tentando tomar essas pequenas decisões porque sou pisciano. Essa resposta é uma que ficaria o dia todo pensando porque vai doer se eu falar algo que me arrependa depois. Mas vou dar um título clichê: Diego Cruz: O Sonhador

E quem interpretaria você no cinema?
Chay Suede é um cara que já troquei ideia e é muito gente boa. Aliás, com todo respeito ao Chay, pode ser o Leonardo DiCaprio, que seria eu numa versão mais velha.

Qual seria seu primeiro decreto como presidente da república?
Bolsonaro vai estar inelegível para sempre.

E, por último, quem você gostaria que respondesse esse questionário?
Leonardo DiCaprio e Tatá Werneck

-
Arte/Redação
Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
expressão
"Pureza", novo filme nacional, conta a história real de uma mulher que enfrentou fazendeiros em busca de seu filho e lutou contra o trabalho escravo
Kaique Brito fala sobre política, posicionamento nas redes sociais e como a chave para combater o fascismo está nas nossas mãos
Filmes e séries aterrorizantes para embalar a noite dessa data assombrada
O carioca de 21 anos transformou seu choro em uma mostra de 73 pinturas exibidas no salão principal do MAC-Niterói – é o artista mais novo a expor ali

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.