expressão

“Disfuncional” e a roupa além da moda

Exposição na Galeria Jaqueline Martins dialoga sobre o universo de possibilidades do vestuário que não se limita ao fashion

por Alexandre Makhlouf Atualizado em 3 nov 2021, 16h07 - Publicado em 31 out 2021 23h10
-
Clube Lambada/Ilustração

Imagine – se possível – uma mulher coberta de uma roupa sem fim, que é, por sua vez, tecida de tudo o que diz o jornal de moda, pois essa roupa sem fim é dada por meio de um texto sem fim. Essa roupa total, devemos organizá-la, isto é, recortar, nela, unidades significantes, para podermos compará-las entre si e reconstituir assim a significação geral da moda.”  O excerto faz parte do livro Sistema da moda, do sociólogo francês Roland Barthes, e é parte do material de pesquisa da exposição coletiva “Disfuncional”, em cartaz na Galeria Jaqueline Martins, na Vila Buarque, em São Paulo. Com curadoria da galeria em parceria com Marina Dalgalarrondo, artista visual e diretora criativa da marca ÃO, a mostra é tudo aquilo que você não espera de uma exposição sobre moda – no melhor sentido que essa frase poderia ter.

A instalação de Luiza Crosman, que mistura softwares e bordados (à esq.), e os lenços tingidos à mão assinados por Daniel Albuquerque.
A instalação de Luiza Crosman, que mistura softwares e bordados (à esq.), e os lenços tingidos à mão assinados por Daniel Albuquerque. Disfuncional/Divulgação

Isso porque exposição de moda, geralmente, têm roupas apresentadas em manequins ou vestidas em suportes feitos para lembrarem o corpo humano. São, no geral, roupas históricas, que foram criadas e usadas por pessoas de verdade em algum momento do passado – ou, então, que terão essa mesma utilidade no futuro. Em “Disfuncional”, como o próprio título já dá o spoiler, quase nada remete a uma roupa usável. “Quando a Jaqueline me convidou para desenvolver um projeto que propusesse essa inter relação moda-arte, propus, de primeira, que usássemos a palavra vestuário, porque moda traz todo um escopo comercial, de tendência e de universo da moda, relacionado ao fashion, ao desfile. Vestuário abarca outras questões: do cotidiano, do político, de uniforme, que é uma coisa mais ampla para ser pesquisada”, conta Marina, que acompanhou a equipe de Elástica em uma visita guiada na galeria.

“Propus que usássemos a palavra vestuário [para falar da exposição], porque moda traz todo um escopo comercial, de tendência relacionado ao fashion. Vestuário abarca outras questões: do cotidiano, do político, de uniforme, que é uma coisa mais ampla para ser pesquisada”

Marina Dalgalarrondo

Para cumprir o propósito de mostrar a relação entre arte e moda, um time de artistas que já desenvolviam trabalhos nessa temática teve trabalhos comissionados para a exibição, que ficam expostos na galeria até o fim de novembro. Ana Mazzei e Helena Pimenta, André Rachadel, Arthur Chaves, Daniel Albuquerque, Luiza Crosman, Maurício Ianês, Stefan-Manuel Eggenweber, além da própria Marina – que assina talvez o trabalho preferido deste que aqui escreve – se debruçaram sobre os muitos significados que permeiam o mundo das roupas e do vestir para criar novas narrativas, reinterpretar signos, resgatar ancestralidade e dialogar com ela usando a tecnologia.

Continua após a publicidade

“Metalbone bodies” de Marina Dalgalarrondo
“Metalbone bodies” de Marina Dalgalarrondo Disfuncional/Divulgação

Tudo isso está presente em “Metalbone bodies”, conjunto de obras independentes assinado por Marina. Um primeiro olhar aponta para corsets feitos de tecidos distintos, com logotipos grandes que lembram as gigantes do streetwear, vestidos em aparelhos de ginástica em tons de rosa bebê. Uma análise mais atenta, no entanto, revela outros detalhes. “Antigamente, os corsets eram chamados de whalebone bodies porque eram usadas barbatanas de baleia para estruturar essas peças – elas eram flexíveis o suficiente para permitir que as mulheres se sentassem e se movimentassem, mas também firmes para limitar seus corpos. Nessa obra, trago essa relação entre comportamento, o olhar sobre o corpo em geral, e de alguma maneira a transformação de silhueta. E como os equipamentos de ginástica estão ligados não só ao nosso potencial para transformar o próprio corpo, mas também a uma automação das coisas”, explica Marina. 

“Aqui nessa sala não existem as fotos que usamos para divulgar. Precisávamos criar essa escala do corpo, de tamanho, mexer na relação simbólica, por isso optamos por essa estratégia”

Marina Dalgalarrondo
Obra assinada por Ana Mazzei e Helena Pimenta
Obra assinada por Ana Mazzei e Helena Pimenta Disfuncional/Divulgação

Os aparelhos de academia vestidos com as peças, no entanto, não podem ser operados. Assim como o nome da exposição que fazem parte, são disfuncionais, criados especificamente para estarem ali e serem inúteis ao seu propósito primeiro. “Se alguém um dia quiser usá-los, vai ter que descobrir outra forma de fazer isso”, completa Marina. Raciocínio semelhante serve para compreender as obras ali: as interpretações possíveis não se limitam à explicação da autora. As narrativas em torno dela também podem partir do observador e dos sentimentos que ali forem despertados. Pensou em quanto desenvolvemos um mercado de cirurgias plásticas e conteúdos fitness para que as mulheres tenham o corpo dos corsets sem usar nada? Cabe também – e muito bem, por sinal – ao diálogo que Marina queria criar.

Ainda no mote disfuncional, vale retomar que nada nessa exposição lembra uma exposição de moda. As fotos que você vê nessa matéria, inclusive, materializam o que algumas das obras de arte seriam caso fossem usadas como roupas. Não espere, então, encontrar Laura Dias, criadora do grupo musical Teto Preto e figura célebre do underground paulistano, vestindo as camisetas políticas e críticas criadas na vídeo-instalação de Maurício Ianês. “Aqui nessa sala não existem as fotos que usamos para divulgar. Precisávamos criar essa escala do corpo, de tamanho, mexer na relação simbólica, por isso optamos por essa estratégia”, revela a curadora. 

Laura Diaz foi a modelo escolhida para vestir a obra de Mauricio Ianês
Laura Diaz foi a modelo escolhida para vestir a obra de Mauricio Ianês Disfuncional/Divulgação
Continua após a publicidade

Um encontro além do tempo

O diálogo entre os significados que roupas e o ato de vestir tiveram ao longo da história também estão contemplados em “Disfuncional”. Em uma obra de arte multimídia, que compreende tecidos, softwares, telas e vídeos, Luiza Crosman revisita a mitologia grega para fazer sua contribuição à exposição. A partir do mito de Aracne, jovem de exímio talento como bordadeira que despertou a fúria de Atena e foi transformada em aranha, a artista fala sobre as possibilidades que a tecnologia traz sobre tear e bordar. A partir de um texto em que ela própria encarna Aracne, um software transforma as palavras escolhidas por ela em imagens que, por sua vez, são bordadas em tecido. “É uma obra que promove o encontro do ofício milenar do bordado com o que há de mais contemporâneo. Se você pensar sobre a relação do fundamento do vestuário, a qualidade poética dessa obra é infinita. Esse é um olhar que vai muito além da roupa”, pontua Marina.

“A obra de de Luiza Crosman promove o encontro do ofício milenar do bordado com o que há de mais contemporâneo. Se você pensar sobre a relação do fundamento do vestuário, a qualidade poética dessa obra é infinita. Esse é um olhar que vai muito além da roupa”

Marina Dalgalarrondo

O mesmo vale para a instalação feita por Arthur Chaves, que ocupa uma parede quase inteira na sala que abriga a exposição. A partir de diversas roupas desmontadas, ele cria um universo só seu – que, de primeira, pode até assustar e fazer pouco sentido. São pernas de calças jeans que se misturam a camisetas e alças de mochila, pedaços de cobertores e malhas de lã que estão colados e costurados a outras coisas que costumavam ser roupas. Com inspiração no título da expo e dialogando com todo seu trabalho, de montagem e remontagem de significados, ele criou aquela obra ali mesmo – ou seja, vê-la na Galeria Jaqueline Martins é, possivelmente, a única oportunidade de vê-la exatamente como ela está hoje.

As obras de Ana Mazzei e Helena Pimenta (à esq) e de Arthur Chaves.
As obras de Ana Mazzei e Helena Pimenta (à esq) e de Arthur Chaves. Disfuncional/Divulgação

Ao fazer isso, penso se a roupa infinita de Roland Barthes seria assim ou teria uma forma – ou falta de forma – semelhante. Se, em um mundo de padrões de beleza inalcançáveis, desperdícios na produção, escravidão na indústria da moda e uma escassez de criatividade, precisamos pensar mais em todas as outras funções que uma roupa deveria ter. Que universo da moda queremos para o futuro? Até o fim deste mês, é possível despertar essa faísca aí dentro ao conferir “Disfuncional”.

O jornalismo em que a gente acredita depende de você; apoie a elástica

Disfuncional

Galeria Jaqueline Martins (Rua Dr. Cesário Mota Júnior, 443 – Vila Buarque, São Paulo)
De terça a sexta-feira das 10h às 19h // sábados das 12h às 17h
Entrada gratuita

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
expressão
Sem ideia do que fazer no fim de semana? Vem que aqui tem dica de série, programa de TV e filme pra driblar o tédio!
Música, arte e experimentação constroem o novo espaço cultural de São Paulo
capa

Confinada

Por
As tiras que surgiram nas redes sociais viraram um livro que retrata a sociedade de hoje e seus problemas, como desigualdade, racismo e xenofobia
Artes visuais, música, dança e teatro são alguns destaques da primeira edição do festival campo-grandense
No mês da Consciência Negra, listamos fotógrafos, grafiteiros e artistas plásticos que contribuem para a construção cultural da sociedade

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.