expressão

Elástica recomenda: cannabis, bolos simpáticos e novelas

Lançamentos musicais, filmes emocionantes e cachorros inacreditáveis também estão na nossa lista

por Alexandre Makhlouf Atualizado em 23 nov 2021, 17h11 - Publicado em
11 nov 2021
23h43

Mais um fim de semana prolongado não é a resposta. Mais um fim de semana prolongado é a pergunta – e a resposta é SIM! Temos três dias de descanso pela frente em escala nacional (nada de ponto facultativo ou aquele dia de trabalho no meio da tão sonhada emenda) e isso significa um número 50% maior de possibilidades de fazer algo que te dá prazer. Com o avanço da vacinação e os números de casos e mortes por covid-19 caindo, dá vontade de voltar a frequentar restaurantes, exposições, barzinhos e rolezinhos, né? A gente também sente – e faz, na medida do possível –, mas gostaríamos de lembrar a todos que é preciso continuar se cuidando!

Dito isso, vamos às nossas recomendações da semana. Para quem é do time da cannabis, tem um perfil imperdível para conhecer e babar. Falando em boas dicas para seguir, quem gosta de coisas fofas no feed vai adorar nosso combo de hoje: cachorrinhos e bolos. As noveleiras e as twitteiras também estão contempladas em uma mesma dica, além de ter filme e álbum-lançamento para embalar as noites off. Vem com a gente?

artur

Uma das contas mais interessantes para quem curte cannabis no Instagram é a Trident Seeds (@landracemafia). Seu criador é dono de um banco de sementes especializado em sementes crioulas da maconha em regiões do Sul asiático, como Índia e Paquistão. Na rede social, a conta tem fotos de plantas exóticas, de tons que vão do verde até o preto, acredite se quiser. O espaço também documenta a produção ancestral do charas, um tipo de haxixe produzido esfregando as mãos nas flores logo após a colheita. Bem didática, a Trident Seeds ainda traz detalhes sobre as espécies retratadas, a geografia, história e cultura das regiões exploradas. Acenda um e viaje. 

Trident Seeds no Instagram

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Can You Ever Forgive Me?/Divulgação

laís

Poderia me Perdoar?
Houve uma época na vida em que mandei muitas cartas. Pra uma amiga querida que poderia ter sido minha colega de faculdade se eu não tivesse decidido ir pra Curitiba, pro Marcinho, que já nos deixou, pros meus amigos de outros países que conheci no intercâmbio. Eu sabia quanto cabia numa carta nacional de 50 centavos e o limite em que os Correios passavam a chamar meu envelope de encomenda. 

Eu acho que conhecer a letra de alguém é conhecer algo muito íntimo e que existe muita vida numa carta, num envelope, numa dedicatória (ah, o prazer de comprar um livro num sebo com uma dedicatória que não era pra mim – não é a mesma coisa no Estante Virtual). 

Me sinto um pouco viúva dos Correios e das cartas. E o filme Poderia me Perdoar? reavivou essa sensação ainda mais. Baseado na história real da escritora Lee Israel, interpretada por Melissa McCarthy, que estava numa pior – sem emprego e sem dinheiro para pagar o aluguel ou a conta do veterinário – e por isso começa a forjar cartas de autores famosos. E a vendê-las para colecionadores. 

Um ex-professor meu, que é também tradutor, gosta de dedicar obras que ele verteu para o português como “espero que goste deste livro do Joyce escrito por mim”. A personagem do filme comete a versão criminosa disso. Escreve em nome de outro, mensagens mais cativantes do que as que seus alvos seriam capazes.

O filme é engraçado e um pouco triste. 

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Fresno/Reprodução

alê

Vou Ter Que Me Virar – Fresno
Todo mundo que me conhece sabe que meu amor pelo emo não é segredo para ninguém. Não digo que fui emo porque digo que quem é emo de verdade não deixa de ser. Eu sei, talvez o início desse parágrafo tenha feito você revirar os olhos e me julgar um pouco (o que eu estou acostumado porque todos os emos foram julgados, risos). Mas, piadas à parte, meu Recomenda dessa semana é o novo álbum da minha banda nacional favorita: Vou Ter Que Me Virar, da Fresno. 

Lucas, Vavo e Thiago entregaram um álbum muito bem produzido, com sintetizadores e batidas bem dançantes, mas sem abrir mão das letras íntimas, que falam sobre superar sentimentos ruins e entrar em contato com o nosso lado de dentro – a faixa-título do álbum e “Agora Deixa” são ótimas exemplos dessa junção. Claro que as melodias mais calmas, com bastante piano e guitarras, também estão presentes em algumas músicas. Menção (muito) honrosa para o arranjo belíssimo de de “6H34 (Nem Liga Guria)”, com um sambinha que embala. 

Ah, essa última dica vale para todo álbum, mas esse em especial merece ser ouvido na sequência escolhida pela própria Fresno e não no modo aleatório. Garanto que mesmo quem torce nariz pro emo vai ter o coração tocado por Vou Ter Que Me Virar.

• • • • •

Continua após a publicidade

joão

Acervo Novelas
Nasci, vivi e provavelmente morrerei noveleiro. Continuo me encantando com o alcance que essas histórias têm e com a capacidade do gênero de se conectar tão profundamente com as pessoas e com a nossa cultura. Minha indicação da semana é o perfil Acervo Novelas, no Twitter, que faz o incrível serviço de interesse público e nacional de recortar as mais diversas cenas da teledramaturgia brasileira e postar aleatoriamente. Três pessoas com fotos de perfil de atores e atrizes conhecidos administram a página e começaram a fazer mais sucesso quando reviveram a cena perfeita de Paraíso Tropical em que Bebel (Camila Pitanga) e Olavo (Wagner Moura) se encontram em um casamento, por acaso: 

Tem cenas de Foguinho (Lázaro Ramos) e Ellen (Taís Araújo) em Cobras e Lagartos, Carminha (Adriana Esteves) descontrolada em Avenida Brasil e até uma thread de TOP 20 mortes em novelas brasileiras. As cenas mais loucas protagonizadas por atores e atrizes gigantes, quando tiradas do contexto, ficam ainda mais engraçadas e absurdas – tudo ainda mais novelão. Uma mistura de nostalgia, drama e humor que é a cara do fim de domingo.

Continua após a publicidade

Acervo Novelas no Twitter

La Fama – Rosalía feat. the Weeknd
Indicaçãozinha musical rápida do novo single da cantora espanhola Rosalía, que conta com um feat de peso e agudos perfeitos. Além da parceira com The Weeknd, a canção ganhou um clipe com historinha – do jeito que a gente ama – cheio de drama e sensualidade. A Bachata (ritmo da República Dominicana, em alta entre cantantes hispânicos) é faixa integrante de seu novo álbum de estúdio, Motomami. Vale a pena pra dançar coladinho cheirando um cangote ou sozinho de drinkinho na mão mesmo ¯\_(ツ)_/¯

• • • • •

Continua após a publicidade

-
@tofupupper/Reprodução

kareen

Motivation Time with Tofu
Se você tem internet, você já viu algum meme de shibinhas.

Esse meme foi vendido por R$ 20 milhões em um leilão de NFT
Esse meme foi vendido por R$ 20 milhões em um leilão de NFT Reprodução/Reprodução

Nativos do Japão, os shiba-inus são considerados uma das raças de cachorro mais antigas do mundo, e atualmente ocupa o primeiro lugar em pet de companhia no país. O humano Dylan Jones, que morou no Japão quando criança e hoje vive na Austrália, sempre teve o sonho de ter seu próprio shibinha. Só não imaginava transformar o seu cachorro numa sensação da internet.

“Minasan Konichiwa! It’s me Tofu Chan” (Olá a todos! Sou eu, Tofu Chan – chan é um sufixo usado após um nome para demonstrar diminutivo, ou seja Tofuzinho). É assim que Tofu Pudding Jones, seu nome no documento, começa seus vídeos, a maioria das vezes seguidos do seu famoso Motivation Time, outras ensinando alguma palavra em japonês ou falando em algum TED sobre seu amor por pães.

View this post on Instagram

A post shared by Tofu Chan (@tofupupper)

Continua após a publicidade

O vídeos de Tofu são produzidos por três amigos, Dylan Jones, sócio-proprietário do cão, Tomoya Kawasaki que faz a voz e o cineasta Josef Gatti. Hoje, o perfil tem 290 mil seguidores e Tofu é reconhecido por onde passa nas ruas de Melbourne onde vive, mas tem fãs no mundo inteiro.

Prontos para o Motivation Time do dia?

View this post on Instagram

A post shared by Tofu Chan (@tofupupper)

• • • • •

Continua após a publicidade

bia

Se tem uma coisa que eu amo nessa vida é um docinho. E quando ele tem uma cara boa, melhor ainda. Navegando pelo Instagram, descobri o mundo dos bento cakes (lê-se “bentô”). Os bolinhos pequenos, geralmente com 10 cm de diâmetro, são personalizados e entregues em uma embalagem de lanche – aquelas de isopor, mesmo. A ideia dessa marmitinha se popularizou na Coreia do Sul e logo chegou aqui, com confeiteres talentoses criando belíssimas coberturas. 

A Nami (@​​namiconfeitaria), por exemplo, é uma confeitaria home based na Zona Leste de São Paulo. Lá trabalham a Julia, a Roseli e o Francisco, uma família que, em meio à pandemia, decidiu empreender. Se você visitar a página deles, garanto que irá se apaixonar pelas delícias e até dar umas boas risadinhas com as frases que a galera escolhe para a decoração. Spoiler: “Fora Bolsonaro” é a minha favorita.

Continua após a publicidade

〰️〰️〰️

🥠  biscoito da sorte 🥠

Saia de férias, gostoso demais.

〰️〰️〰️

Tags Relacionadas
mais de
expressão
Sem ideia do que fazer no fim de semana? Vem que aqui tem dica de série, programa de TV e filme pra driblar o tédio!
Música, arte e experimentação constroem o novo espaço cultural de São Paulo
capa

Confinada

Por
As tiras que surgiram nas redes sociais viraram um livro que retrata a sociedade de hoje e seus problemas, como desigualdade, racismo e xenofobia
Artes visuais, música, dança e teatro são alguns destaques da primeira edição do festival campo-grandense
No mês da Consciência Negra, listamos fotógrafos, grafiteiros e artistas plásticos que contribuem para a construção cultural da sociedade

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.