expressão

Elástica recomenda: correr, pedalar e ser livre sem sair de casa

Nossas dicas para o seu fim de semana incluem podcast, stand up, minidoc, HQ e games

por Redação Atualizado em 20 ago 2021, 14h42 - Publicado em
13 ago 2021
01h06

Mais um fim de semana se aproxima e, se você for como a maioria de nós, provavelmente vai parar na frente da TV ou do computador em algum momento e pensar: “nossa, queria fazer alguma coisa divertida, interessante, que me deixasse vidrado”. Sorte sua que, a partir desta sexta-feira, a Elástica traz para você a solução: recomendações para te tirar do tédio e, de quebra, descobrir uma coisa nova. Podcasts, séries, filmes, games, livros, documentários, produtos, quadrinhos e o que mais passar pela nossa cabeça e nos tirar da mesmice será indicado aqui, semanalmente. Preparades para o nosso Elástica Recomenda?  

TIG NOTARO

laís

Tig Notaro Drawn e Don’t ask Tig
A comediante Tig Notaro ficou famosa há alguns anos quando fez um set de stand up muito honesto sobre a morte da sua mãe e o seu diagnóstico de câncer de mama (que a obrigou a fazer mastectomia total). Ela tem hoje um podcast em que dá conselhos para os ouvintes que pedem, apesar do nome do programa ser Don’t ask Tig. É uma boa mistura de humor e sincericídio, adoro ouvir lavando a louça no fim do dia. Ela também lançou este mês um especial de comédia todo animado por diferentes artistas – Tig Notaro Drawn está disponível na HBO max. 

dontasktig.org & hbo.com/specials/tig-notaro-drawn

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Lorena, la de pies ligeros/Netflix

kareen

Lorena, la de pies ligeros
Não sou nenhum tipo de atleta – gostaria muito. Mas, desde criança, flerto com diversos esportes. Já joguei futsal semi-profissionalmente, faço viagens de bicicleta
e fui campeã de arremesso de bola aka basquete no Playland. No último ano, decidi comprar um tênis e sair para correr dia sim, dia não (a depender da preguiça), – foi assim que meu muso Murakami começou também. Nesses tempos de pandemia, foi na corrida que encontrei um pouco sanidade, a combinação perfeita entre queima de calorias e a raiva como combustível (sad & brazilian feelings).

Minha indicação esta semana é um minidoc sobre a história da ultramaratonista indígena do México, María Lorena Ramírez, que já foi campeã do Cerro Rojo UltraTrail, corrida de ultra distância de 50km. Tudo isso, pasmem, com uma sandalinha no pé!

Lorena, la de pies ligeros, 28 minutos, na Netflix.

PRA SEGUIR NO CORRE:

do que eu falo quando falo de corrida

Continua após a publicidade

Do que eu falo quando falo de corrida, um livro autobiográfico do escritor Haruki Murakami sobre quando ele largou seu bar de jazz em Tóquio para se dedicar aos romances e começou a correr para se manter em forma. Um ano depois, já era um corredor de longas distâncias. 

A coleção Run, da marca Hyun Studio, criada pela fashion designer Georgia Young-Lee, é ótima para correr no frio (e no visu).

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Robin!/Divulgação

alê

Batman: Urban Legends 6
Essa semana, o time das LGBTQIA+ ganhou um novo integrante conhecido no mundo inteiro:
Robin! O parceiro do Batman é alvo de piadinhas que envolvem sua sexualidade há anos – a maior parte delas homofóbicas, vale lembrar –, com alguns desenhos de bastante mau gosto que circulam na internet e até um esforço de diminuí-lo como personagem dentro das histórias. Fato é que, na mais recente edição de Batman: Urban Legends, o personagem Tim Drake, um dos muitos que já lutaram sob a alcunha de Robin (o fato de existirem “vários Robins” foi, para mim, uma surpresa quase tão grande quanto a saída do armário, pois sou zero do universo das HQs), aceita sair em um encontro com um amigo por quem ele revela não saber exatamente como se sentir. 

A cena tem uma importância imensa não só por trazer mais uma figura LGBTQIA+ associada ao universo dos heróis, que sempre sexualiza as mulheres e exalta uma masculinidade tóxica, mas também por dar mais visibilidade a personagens bissexuais, caso do Robin em questão. Só nos resta dar as boas-vindas ao vale e esperar até dezembro, quando sai a próxima edição, para saber se o date realmente foi bom.

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Mass Effect: Legendary Edition/Reprodução

artur

Mass Effect: Legendary Edition
A trilogia Mass Effect, lançada entre os anos de 2007 e 2012, é um dos maiores épicos já feitos para videogames. A história espacial do Comandante Shepard e sua tripulação de alienígenas na tentativa de impedir que todas as populações da Via Láctea sejam dizimadas por uma raça antiga super poderosa é uma ficção científica envolvente, uma história sobre política, sociedade, espiritualidade e guerra que transcende os limites da nossa mente. Para uma nova geração ou para quem já vivenciou a centena de horas dessa experiência, a Electronic Arts acaba de lançar
Mass Effect: Legendary Edition, uma versão remasterizada da trilogia, com gráficos atualizados às tecnologias atuais. É de cair o queixo, uma prova de como Mass Effect será lembrado por muito tempo como um marco dos games.

Mass Effect: Legendary Edition, EA Games

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Lulu vai de bike/Divulgação

joão

Lulu vai de bike
Semana que vem, na quinta-feira, celebra-se o Dia Nacional do Ciclista – uma data pensada desde 2017 para promover a paz no trânsito, o uso da bicicleta, a cidadania e a mobilidade sustentável. O dia 19 de agosto é marcado pelo crime que vitimou Pedro Davison no Eixão, via expressa de Brasília. Em um curta sensível e emocionante, sua filha Luiza Davison passeia de bicicleta pelo Plano Piloto, encontrando e conversando com  figuras importantes do cicloativismo, familiares e amigos.
Lulu vai de bike nos ensina um pouco mais sobre a história e a importância dessa data tão marcante em um país ainda tão violento, especialmente no trânsito. 

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
expressão
Sem ideia do que fazer no fim de semana? Vem que aqui tem dica de série, programa de TV e filme pra driblar o tédio!
Música, arte e experimentação constroem o novo espaço cultural de São Paulo
capa

Confinada

Por
As tiras que surgiram nas redes sociais viraram um livro que retrata a sociedade de hoje e seus problemas, como desigualdade, racismo e xenofobia
Artes visuais, música, dança e teatro são alguns destaques da primeira edição do festival campo-grandense
No mês da Consciência Negra, listamos fotógrafos, grafiteiros e artistas plásticos que contribuem para a construção cultural da sociedade

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.