expressão

Elástica recomenda: thrillers, monstros e mulheres no comando

Protagonismo feminino, novas narrativas e jogos mortais: boas dicas para embalar seu final de semana

por Redação Atualizado em 7 out 2021, 15h43 - Publicado em
30 set 2021
23h39

Ampliar nosso olhar e ficar atento às vivências de pessoas diferentes de nós é uma preocupação constante aqui na Elástica. Mas não é uma preocupação pesada – todos nós gostamos de aprender com pontos de vistas diferentes e queremos, mais do que divulgar diversidade, praticar diversidade. E, felizmente, isso é um caminho sem volta. Para nós e para a sociedade como um todo. Os serviços de streaming ajudaram a popularizar séries de outros países que não os Estados Unidos e isso nos ajuda a descobrir jeitos diferentes de contar histórias, culturas que talvez nunca tivéssemos acesso se não fossem essas séries, filmes e podcasts. Os movimentos feministas e que pregam um corpo mais livre também fizeram com que boa parte de nós ligasse o radar para narrativas além da mulher padrão – branca, loira, magra, rica. Nosso recomenda dessa semana mistura um pouquinho de tudo isso e vem também com uma recomendação menos objetiva: sempre que possível, procure uma história nova – ou que seja contada de um jeito novo. E aproveite nossas dicas, que estão aqui embaixo. Bom fim de semana!

-
Round 6/Divulgação

alê

Round 6
Quem gosta de dilemas morais, sangue espirrando, tramas impossíveis (com uma perturbadora pitada de possibilidade) e bastante tensão na hora de assistir encontrará tudo isso nessa produção sul-coreana. O enredo, infelizmente, tem como base um problema bastante real: o crescente endividamento da população. Na série, centenas de pessoas que estão devendo (para amigos, para o banco, para agiotas) topam participar de uma série de jogos nos quais, se ganharem, faturar mais de 1 bilhão de wones – a quantia exata, já convertida, é de R$ 215 milhões. O que elas não sabem, no entanto, é que perder em qualquer fase tem um preço alto: a vida. A série estreou há duas semanas e segue no Top 10 Global da Netflix, então faça um favor a você mesmo e se permita ficar sentado na ponta do sofá enquanto os personagens lutam para não falhar nas tarefas.

⚰️  Round 6, na Netflix

RuPaul’s Drag Race

Drag Race UK
A versão britânica de RuPaul’s Drag Race chega a sua terceira temporada. Só dois episódios foram ao ar por enquanto e, é verdade, nossa querida Mama Ru não é exatamente inovadora no formato, mas pra que mexer em time que está ganhando, né? Eu sou um fã de humor britânico e acho que as queens do Reino Unido entregam tu-do. Ah, vale o destaque também para a primeira mulher cis a participar da competição, Victoria Scone. Afinal, drag é para todes <3 💅🏽🌈

• • • • •

Continua após a publicidade
-
Monstro do Pântano/Divulgação

artur

Monstro do Pântano, por Alan Moore
Antes de Alan Moore virar de ponta cabeça as histórias de quadrinhos de super-heróis norte-americanas com Watchmen, em 1985, ele era apenas um escritor britânico com ideias malucas que havia acabado de desembarcar na DC Comics. O trabalho que recebeu era bastante secundário na época, mas acabou se tornando uma das melhores histórias de terror escritas em qualquer meio literário no século 20. Junto de artistas de altíssimo calibre, como John Totleben, Rick Veitch e Stephen Bissette, Moore tornou o Monstro do Pântano em um veículo para destrinchar a sociedade norte-americana, na época envolvida pelo ultraconservadorismo do presidente Ronald Reagan, nas guerras no Oriente Médio, em vias de tornar-se um desastre ambiental.

A passagem de Moore pelo Monstro do Pântano, conhecida em partes pelo arco de histórias “Gótico Americano”, é extremamente atual. Ainda hoje, não existe nada mais brutalmente visual do que uma mulher lobisomem, vivendo sob o machismo de seu marido e de toda sociedade, se suicidando em um faqueiro no mostruário de uma loja de departamentos, acabando com sua angústia de viver em lugar tão tacanho quanto interior dos Estados Unidos, e não há nada mais libertador do que o romance da Abby Holland com a criatura-planta, nem nada mais sexual do que a experiência psicodélica/transcedental retratada sem pudores quando ela e o Monstro do Pântano transam.

A editora Panini Comics está relançando o Monstro do Pântano de Alan Moore em edições luxuosas e caríssimas, mas que merecem ser lidas por todos.

• • • • •

Continua após a publicidade
-
The Chair/Reprodução

kareen

The Chair
Odeio ler críticas sobre qualquer coisa, especialmente filmes e séries. Gosto de ser surpreendida positiva ou negativamente e, por isso, costumo viver roletas-russas no cinema e no streaming. Com The Chair foi assim, primeiro vi a foto e pensei: “ah que foda, uma mulher asiática” e depois, a sinopse “a primeira mulher a assumir o cargo de diretora”. Fechou então, é essa.

A série se passa em torno de Ji‑Yoon (Sandra Oh), a primeira mulher (e não-branca) a assumir a direção do departamento de Inglês na Universidade de Pembroke. Lá, ela encontra o desafio de equilibrar os conflitos geracionais entre ela, seu corpo docente (a maioria idosos muito idosos) e seus alunos jovens. Além de lidar com outras discussões como cultura do cancelamento, questões raciais e de gênero.

Yoon é uma mulher de meia idade que vive com o pai, Habi, com quem só fala em coreano, e com sua filha adotiva Juju, que estimula a manter suas raízes mexicanas. Num grande mixed feelings de sobrecarga emocional, Yoon equilibra de forma bonita e otimista esses pratos complexos que rodeiam sua vida. The Chair é uma série fácil de maratonar – dá para assistir a seus episódios de 30 minutos na hora do almoço –, engraçada e dramática, porém leve.

The Chair, na Netflix

• • • • •

Continua após a publicidade
-
Shrill/Reprodução

laís

Shrill
A humorista Aidy Bryantt encarna a jornalista Annie – uma mulher gorda que é tratada feito lixo pelo cara com quem tá transando, menosprezada no trabalho e constantemente “ajudada a seguir a dieta” por sua mãe. Baseado no livro homônimo e autobiográfico de Lindy West, a personagem quer melhorar de vida, mas não mudar seu corpo. A série conta sua jornada de aceitação e empoderamento como mulher gorda. No esquema das melhores comédias modernas, drama e humor se misturam e é um tanto angustiante me reconhecer nas catarses da personagem ao longo da história. A terceira e última temporada saiu esse ano e está no catálogo da HBO-max.

Shrill, na HBO Max

Sporkful – a podcast about food > episódio com Lindy West

Essa entrevista em que a autora de Shrill conta como é a relação dela com a comida e do mundo com o marido magro-bonito-padrãozinho dela é divertida pra sacar em quem o personagem da série se baseia. Lindy é bem menos fofinha que a Annie.

🎧  Being Thin Isn’t A Virtue, Says Lindy West

Continua após a publicidade

〰️〰️〰️

🥠  biscoito da sorte 🥠

Não passem pano pra discurso errado.

〰️〰️〰️

Tags Relacionadas
mais de
expressão
Histórias para se emocionar e fazer pensar? Programação para curtir shows em segurança? Na nossa lista de dicas tem tudo
Ela quer mostrar a mulher que sempre esteve por trás da rapper: “Tenho vontade de falar de como me sinto com o empoderamento que encontrei aos 42 anos”
carnaval-em-madureira-1924-tarsila-do-amaral–foto-isabella-matheus_51386125966_o

Novamente 22

Por
MAM inaugura exposição “Moderno onde? Moderno quando?” questionando a importância de São Paulo para o Modernismo artístico brasileiro
Estética soviética ou jardins muito bem cuidados nos Estados Unidos? Não precisa escolher só um: aqui tem dicas pra todos os gostos
3-3-urias

Urias na Cama Elástica

Por
Única brasileira escolhida pelo Facebook para celebrar o mês da cultura latino-americana, a artista responde nosso questionário

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.