expressão

Festival Campão Cultural: 7 dicas para curtir o evento

Artes visuais, música, dança e teatro são alguns destaques da primeira edição do festival campo-grandense

por Redação Atualizado em 2 dez 2021, 00h05 - Publicado em
25 nov 2021
23h42

Se você gosta de se divertir e aproveitar a cultura brasileira, vá para Campo Grande. Especialmente entre os dias 22 de novembro e 5 de dezembro, data em que a cidade recebe, pela primeira vez, o Festival Campão Cultural. Com mais de 150 atrações e 14 dias de atividades gratuitas, o evento promete ser o maior do estado com programação voltada para a cidadania e diversidade.

O jornalismo em que a gente acredita depende de você; apoie a elástica

As ações vão contemplar as sete regiões da capital sul matogrossense, atingindo a população de mais de 10 bairros, além dos distritos de Anhanduí e Rochedinho. Serão shows, exposições, rodas de conversa, palestras e até oficinas. Entre os nomes já confirmados estão os músicos Duda Beat e Djonga, a grafiteira RafaMon, os escritores indígenas Casé Angatu e Auritha Tabajara e a companhia de dança Grupo Corpo.  

Segundo o secretário de Cidadania e Cultura, João César Mattogrosso, esse evento é essencial para levar a multiplicidade da cultura para a população, o que ajuda a construir uma sociedade mais diversa. “Tentamos abranger grande parte de estilos porque essa mistura de arte é muito rica. A partir do momento que conseguimos abrir o leque e mostrar mais opções para as pessoas, criamos uma sociedade mais plural e que abraça a todos”, diz. Conferimos o line-up e selecionamos sete atrações para você não perder.

“Essa mistura de arte é muito rica. A partir do momento que conseguimos abrir o leque e mostrar mais opções para as pessoas, criamos uma sociedade mais plural e que abraça a todos”

João César Mattogrosso
Continua após a publicidade

Corrida das Drag Pocket

O evento contará com três dias de batalhas de dublagem com seis drag queens da cidade e apenas uma levará o grande prêmio em dinheiro e o título de Campão Superstar – corre aqui, RuPaul! Além das batalhas, a Corrida das Drag Pocket contará com atrações locais e nacionais com artistas de grande relevância no meio LGBTQIA+.

Quando: 27 de novembro, às 19h

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Festival Campão Cultural/Divulgação

Palestra TRANSVISUAL com Auá Mendes

Artista indígena transvestigênere manauara utiliza suas obras como ferramenta de fala e política, do corpo marginalizado indígena, travesti e preta. Segundo Auá: “No meu trabalho, penso em trazer mais a existência dos corpos marginalizados como um elemento natural e não como uma existência necessária, pois hoje em dia estamos sempre nessa batalha sobre ocupar os espaços que são nossos. Quero que, no futuro, essa obrigação de procurar o espaço de fala não seja mais necessária, pois estaremos nos espaços que são nossos”. Inscrições no link.

Quando: 03 de dezembro, às 19h30 

• • • • •

Continua após a publicidade

Palco Tráfico de Informações

A cultura de rua é aberta, pública, de todos para todos. É a cultura da ocupação dos espaços, da apropriação da cidade. É também a cultura do respeito e, acima de tudo, da resistência. Tráfico de Informações é o nome do palco destinado a levar ao público do Campão Cultural o melhor da produção artística e ações socioculturais da cultura de rua do Mato Grosso do Sul. Nesta data, curta as apresentações de slam, breaking, audiovisual, performances e shows de rap com Enio CRX (Corumbá), Becky Bee (Campo Grande), Geld Mob (Campo Grande) e Rapper Amém (Campo Grande). 

Quando: 03 de dezembro, às 19h30 

• • • • •

Continua após a publicidade

Exposição de fotos sobre capoeira e cerâmicas do MS

A mostra tem como objetivo fomentar, por meio de fotos, a cultura afro e indígena do estado, com proposta triangular “Ver, fazer e refletir”, a qual os espectadores irão descrever e interpretar os elementos constitutivos das imagens. O evento acontece na Fundação de Cultura, local criado em 1983 para planejar, promover, incentivar e executar as atividades voltadas tanto à difusão artística como ao patrimônio.

Quando: 27 de novembro, das 7h30 às 19h

• • • • •

-
Festival Campão Cultural/Divulgação

Show com Duda Beat

A cantora e compositora Duda Beat lançou seu primeiro álbum, Sinto Muito, em 2018. Os hits “Bixinho” e “Chega” ganharam os corações dos fãs e as pistas de dança do Brasil todo. No mesmo ano, ela ganhou o Troféu APCA de revelação e seu disco foi incluído na lista dos dez melhores nacionais do ano da revista Rolling Stone. Em 2021, ela lançou seu segundo álbum, Te Amo Lá Fora, igualmente elogiado pela crítica – vale dar o play no clipe de “Nem Um Pouquinho”, uma superprodução que fala muito sobre a nova estética da cantora. A apresentação no Campão será uma das primeiras de Duda depois do hiato nos palcos por conta da pandemia.

Quando: 4 de dezembro, às 22h30 

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Festival Campão Cultural/Divulgação

Show com Potyguara Bardo 

Esta drag queen colorida lançou seu primeiro disco em 2018, o Simulacre. Com uma pegada mística e mistura melodias de reggae e funk, ele é dançante e alegre. Nas letras, traz histórias holísticas e realidades alternativas. Neste ano, Potyguara lançou o novo single, “Me Leve”, em parceria com Mateus Carrilho.

Quando: 4 de dezembro, às 19h10

• • • • •

Continua após a publicidade

-
Festival Campão Cultural/Divulgação

Show com Dexter

Considerado um dos maiores representantes do rap nacional, Dexter fez sucesso nos anos 1990 com o grupo 509-E. Após 13 anos no sistema prisional, ele foi um dos criadores do projeto “Trampo Justo”, que visa inserir no mercado de trabalho os jovens que vivem nas casas de acolhimento de São Paulo. ​​Já se apresentou ao lado de nomes como Seu Jorge, Mano Brown e Racionais MC’s. 

Quando: 5 de dezembro às 20h

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
expressão
Sem ideia do que fazer no fim de semana? Vem que aqui tem dica de série, programa de TV e filme pra driblar o tédio!
Música, arte e experimentação constroem o novo espaço cultural de São Paulo
capa

Confinada

Por
As tiras que surgiram nas redes sociais viraram um livro que retrata a sociedade de hoje e seus problemas, como desigualdade, racismo e xenofobia
No mês da Consciência Negra, listamos fotógrafos, grafiteiros e artistas plásticos que contribuem para a construção cultural da sociedade

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.