estímulos

Ginecologia natural e a autonomia dos corpos com útero

Práticas integrativas, sabedoria de povos tradicionais e conhecimento do ciclo menstrual são os pilares da corrente de pensamento

por Beatriz Lourenço Atualizado em 2 mar 2021, 12h30 - Publicado em 2 mar 2021 01h53
-
Arte/Redação

rande parte das mulheres da família da profissional de educação física Thais Memo tem endometriose – distúrbio no qual o endométrio cresce para fora do útero, causando cólicas constantes, fluxo menstrual intenso e infertilidade. Diagnosticada com a doença ainda adolescente, o anticoncepcional foi a única intervenção sugerida pelos médicos. No entanto, mesmo seguindo o tratamento à risca, as dores aumentaram ainda mais com o passar do tempo, até que ela se cansou e foi em busca de métodos alternativos para aliviar os sintomas.

Foi nesse momento que a jovem que encontrou o termo “ginecologia natural” via internet e se interessou pelo assunto. Depois de conversar com uma rede de mulheres que já haviam passado pela mesma situação, Thais entendeu que se curar significava mudar completamente o estilo de vida. “Eu parei de tomar os hormônios, comecei a fazer cursos para entender meu próprio ciclo menstrual e me consultei com uma raizeira. Aí, elaborei um método baseado na dieta sem açúcar, exercícios físicos e plantas medicinais”, relata. “Após dois anos tomando esses cuidados, tive o primeiro ciclo sem cólica. Hoje, estou curada e não tenho sinal algum da doença”.

A ginecologia natural, apesar de nova, é uma corrente de pensamento que propõe o resgate de saberes das mulheres ancestrais relacionados à saúde de pessoas com útero. Um exemplo disso é o uso daqueles métodos de cura populares que não têm comprovação científica, mas que funcionam na maioria dos casos – como o banho de assento com ervas, por exemplo, comumente usado para aliviar as coceiras vaginais. No entanto, para além de medicamentos fitoterápicos e receitas caseiras, a ideologia parte do pressuposto de que as pessoas com útero devem conhecer seu próprio corpo e ter consciência da ciclicidade para que possam ter autonomia sobre si e consigam identificar quando há algo de errado. Além disso, a prática sugere o cuidado integral do indivíduo, levando em consideração não só as patologias, mas também a alimentação, o estilo de vida, as emoções e as crenças espirituais.

Essas ideias se consolidaram como movimento sociocultural no ano de 2009, quando a pesquisadora chilena Pabla San Martín criou ações para discutir a violência obstétrica com distribuições de zines e rodas de conversa entre mulheres. Percebendo a falta de materiais acessíveis sobre esse campo, Pabla realizou uma série de viagens pela América Latina, entendendo melhor a medicina dos povos tradicionais e compilando esses saberes em publicações independentes. O projeto, que ficou conhecido como Ginecosofia, chegou ao Brasil em 2018 com o livro Manual de introdução à Ginecologia Natural, uma espécie de manifesto pela retomada do controle dos corpos com vagina.

“Eu vejo muitas mulheres com raiva da menstruação e de seus corpos, sem entender como funcionamos de verdade. O manual traz informações para que elas consigam mudar essa relação porque, quando a gente se conhece, ocorre uma transformação muito forte dessa percepção”

Liz Tibau

“Eu vejo muitas mulheres com raiva da menstruação e de seus corpos, sem entender como funcionamos de verdade. O manual traz informações para que elas consigam mudar essa relação porque, quando a gente se conhece, ocorre uma transformação muito forte dessa percepção”, afirma Liz Tibau, responsável por trazer a edição ao Brasil. “Ele é um reencontro com um passado histórico que explica como a medicina se apropriou de nós. Essa visão envolve não só a saúde, mas também a política e a sociedade”.

Já o reconhecimento do movimento como especialidade médica veio com o curso de pós-graduação em ginecologia natural da Escola Shen, referência em medicina chinesa, no Recife. Lançada em 2020, a formação é a primeira do tipo Latu Sensu no Brasil, e abrange aulas sobre arquétipos femininos, psicossomática e fertilidade. Para Maiana Gomes, coordenadora e idealizadora do curso, legitimar esse conhecimento é um ato revolucionário. “Passamos muito tempo com uma polarização do conhecimento, dividindo os saberes entre tecnicista e tradicional, mas isso não é positivo. O que fizemos é a junção desses dois caminhos, colocando a medicina normativa no lugar dela, que é servir as pessoas”.

Continua após a publicidade

A diversidade do conteúdo é voltada para a importância das práticas integrativas, que podem influenciar o processo de cura dos pacientes. “No pensamento biomédico, uma infecção consiste em uma invasão de algo externo, por exemplo: a minha imunidade baixou, as bactérias se proliferaram e eu preciso trazer um remédio para curar isso”, conta Gomes. “Quando somamos esses conhecimentos, entendemos que a vulva e a vagina são lugares que falam de padrões emocionais que têm a ver com a sexualidade”.

No consultório de quem segue a ginecologia natural o atendimento é diferente do padrão, já que há um rompimento com a hierarquia entre médico e paciente. “Normalmente, na faculdade de medicina, aprendemos a começar a nossa entrevista clínica pela patologia. Porém, ela em si fala pouco sobre aquela pessoa. Assim, quando ela termina de se apresentar, partimos para o entendimento daquele ser como um todo”, explica Berta Brunet, ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). “Falamos desde a primeira menstruação até sua rotina atual, reconhecendo aquele indivíduo como único a fim de acolhê-lo e otimizar seu plano terapêutico”. Segundo a especialista, o atendimento dura, em média, duas horas e meia e é baseado no conceito de slow medicine, o qual prioriza o tempo de escuta de cada um ao invés da demanda dos médicos.

“Normalmente, na faculdade de medicina, aprendemos a começar a nossa entrevista clínica pela patologia. Porém, ela em si fala pouco sobre aquela pessoa. Assim, quando ela termina de se apresentar, partimos para o entendimento daquele ser como um todo”

Berta Brunet, ginecologista

O plano de cura é horizontal e baseado na corresponsabilização. “Sempre proponho um leque de soluções para que a mulher escolha qual é a que ela se sente mais confortável em seguir”, afirma Brunet. Ainda é possível que, em certos casos, o tratamento possa ser livre de fármacos. “Sempre que vamos utilizar algo no corpo humano que ainda não há estudos clínicos, mas que as mulheres usam e sabem que funcionam empiricamente, precisamos ser muito prudentes. Não é porque é natural que não pode causar malefícios”. É o caso do óvulo de alho, usado em casos de candidíase – infecção causada pelo pelo fungo Candida. Segundo a ginecologista, se a manipulação não for realizada de forma correta, pode causar queimaduras na mucosa vaginal. “Existem alternativas que podem ser recomendadas de acordo com a trajetória e a segurança de cada médico. Porém, se apenas trocarmos o fluconazol por uma erva, sem levar em conta a história de cada paciente, acabamos cometendo os mesmos erros do tratamento sintomático e caindo em efeitos colaterais que qualquer remédio pode ter”.

A empreendedora Julia Morais pesquisa de forma autônoma sobre o assunto e repassa as informações em sua conta do Instagram. Lá ela também vende absorventes de pano, uma alternativa para quem quer fugir dos químicos que os produtos descartáveis contém. Ela conta que a experiência de ir a uma ginecologista natural é única: “Quando fui pela primeira vez, fiquei muito feliz em ver meu colo do útero, os ovários e os folículos que estavam se formando. Foi um momento de troca no qual eu me senti ouvida”, diz. “Repassar esse conhecimento é importante pois ele nos é negado o tempo todo, principalmente para as mulheres negras e periféricas”.

Continua após a publicidade
-
Arte/Redação

Decolonização dos corpos

Conhecer o nosso corpo é o primeiro passo para a autonomia, para o autocuidado e para o entendimento da nossa saúde. Em seu primeiro zine, Pabla San Martín afirma que isso é sinônimo de resistência: “cultural e geneticamente temos sido a negação e, ao mesmo tempo, o medo de uma sociedade patriarcal e falocêntrica”. Por isso, é essencial conhecer o aparelho genital:

Vagina: A vulva é composta pelo clitóris e pelos lábios interiores e exteriores. Já a vagina é o canal que conecta a vulva com todos os órgãos internos. Ela mede entre 7 e 12 centímetros e abriga as chamadas glândulas de Bartholin, responsável pelas secreções.

Útero: Mais ou menos do tamanho de uma pera, é o local onde o embrião e o feto irão desenvolver-se. Lá se forma o endométrio, tecido que reveste internamente o útero e permite o alojamento do embrião, dando início à gravidez. Quando não há fecundação, ocorre a descamação deste tecido, processo que é conhecido como menstruação. O útero está conectado às trompas de falópio, canais que transportam o óvulo criado todos os meses por um dos ovários.

Ovários: Os ovários são estruturas localizadas na região pélvica. Eles são responsáveis pelos hormônios progesterona e estrogênio e também pela produção e armazenamento dos óvulos, que são liberados um a cada mês e recolhidos pelas tubas uterinas.

Continua após a publicidade
-
Arte/Redação

O ciclo menstrual

Um dos pilares principais da ginecologia natural é a consciência do ciclo menstrual. Ou seja, o entendimento de que os corpos menstruantes vivem fases de maior ou menor expansividade durante o mês, assim como a Lua. “Não funcionamos de maneira contínua todos os dias e isso não deve ser visto como um problema. Mas a partir dessa tomada de consciência é possível realizar uma organização da rotina e se permitir descansar e ser produtivo nas horas certas”, diz Berta.

Fase menstrual: Corresponde ao primeiro dia do ciclo e consiste na descamação do tecido uterino. É o momento em que as forças vitais estão em baixa e a sensação é de menos energia física e emocional. Este é um período que corresponde ao arquétipo da lua nova, pois ela reflete pouca luminosidade e remete ao recolhimento e a maior introspecção. Para Maiana Gomes, a atitude cíclica ideal aqui é a de descanso e maior consumo de alimentos com ferro.

Fase folicular: Também conhecida como pré-ovulatória, é quando ocorre o crescimento dos níveis do hormônio estrogênio, responsável por preparar o útero para a fertilização. A pessoa que vive esse período sente mais disposição e desejo de extroversão. A fase é comparada com a lua crescente, que inicia seu processo de ascensão luminosa. O melhor a se fazer nesta época é aproveitar a energia vital ascendente para iniciar novos ciclos de produtividade e socialização.

Fase ovulatória: A ovulação ocorre na metade do ciclo menstrual, em média, no 14º dia. Ela acumula o ápice da energia vital do ciclo e, por isso, pode ser comparada com a lua cheia. “É a fase de plenitude do potencial criativo e sexual dos corpos com útero. O melhor a se fazer é vivenciar seu auto-prazer e aproveitar o ápice de energia para as ações que necessitam de inspiração”, reflete Maiana.

Fase lútea: Quando a ovulação ocorre, o folículo que continha o óvulo se transforma no corpo lúteo que libera os hormônios estrogênio e progesterona. Essas mudanças hormonais podem causar dores de cabeça, acne, sensibilidade ou até mesmo inchaço. Se um óvulo é fecundado, a progesterona dá suporte para a gravidez. Porém, se a fecundação não ocorre, o corpo lúteo se desfaz, resultando na queda de hormônios e, consequentemente, na menstruação. Por sua vez, a lua crescente tem a característica da decrepitude e do recolhimento gradativo da energia. “A atenção aqui é fazer essa transição com suavidade, gerando momentos para si. Nutrir-se de acolhimento e de gentileza é essencial”, aconselha Gomes.

Continua após a publicidade
-
Arte/Redação

Cuidar de forma integral

O cuidado com o corpo e com a mente, segundo a ginecologia natural, não se limita em ir ao médico. A prevenção de doenças e o bem estar ocorre a partir de pequenas atitudes do dia a dia. Confira dicas que podem te ajudar durante esse processo:

Alimentação: Uma dica para evitar complicações durante a menstruação é prestar atenção no consumo de alimentos inflamatórios pelo menos uma semana antes. Para isso, diminua alimentos como derivados de leite, açúcar e farinhas refinadas. Além disso, adicione nas refeições algumas vitaminas que são essenciais para a saúde da mulher: o Selênio contribui para o funcionamento da tireoide e elimina toxinas, a vitamina D alivia os sintomas da TPM e contribui para a saúde dos ossos, o Iodo previne casos de candidíase crônica e o magnésio ajuda no controle de cólicas.

Ervas: Os chás são usados pela medicina tradicional para aliviar sintomas e até mesmo prevenir algumas doenças. O alecrim e a artemísia, por exemplo, estimulam a circulação e diminuem a cólica menstrual. Já a aroeira tem propriedades cicatrizantes e antimicrobianas, fazendo bem para vaginites e candidíase. A camomila, por sua vez, acalma e relaxa, sendo ideal em momentos de TPM, dores de cabeça e resfriados. Por fim, a sálvia auxilia o equilíbrio hormonal e estimula a menstruação.

Absorventes: Além de causarem impactos ambientais, os absorventes descartáveis são repletos de substâncias químicas prejudiciais ao nosso corpo. Muitas delas causam infecções, alergias e induzem o aumento do fluxo. O odor também ocorre pelo contato com o oxigênio. Para evitar que isso ocorra, teste o coletor menstrual, calcinhas absorventes ou absorventes de pano.

Estresse: O estresse, causado por altas cargas emocionais e jornadas de trabalho intensas, bagunça os hormônios, elevando o nível de cortisol no corpo. O resultado disso é um ciclo irregular, acne, insônia e ganho de peso. Com ajuda de uma rede de apoio, encontre um tempo para realizar exercícios físicos, meditação, terapia ou até mesmo uma simples caminhada.

Continua após a publicidade
Tags Relacionadas
mais de
estímulos
fora-de-foco03

Fora de foco

Por
A falta de concentração, seja com as obrigações, seja nos momentos de lazer, virou motivo de angústia para muita gente no último ano
A geração Z é a mais fluida que conhecemos em questão de gênero e sexualidade, mas quer, cada vez menos, sexo e casamento
Estamos vivendo uma eterna apatia, mas será que é o suficiente para recebermos bem pessoas que não têm vergonha de mostrar as emoções?
Traduzido como "definhamento", o languishing é um estado de vazio e estagnação que vem atingindo diversas pessoas durante a pandemia
antidepressivos-sexo-13

Gozar sem chorar

Por
Cresce o uso de antidepressivos e, com isso, a libido acaba diminuindo. Afinal, ainda dá pra ser feliz e manter o tesão?

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.