expressão

Vanessa Rozan na Cama Elástica

Empresária, maquiadora, comunicadora e a mais nova convidada para responder o nosso questionário

por Alexandre Makhlouf 28 set 2021 00h12

Falar sobre o mercado de beleza no Brasil sem citar o nome de Vanessa Rozan é, sem dúvida, um desafio. Com mais de 20 anos de carreira na maquiagem, assinando editoriais, campanhas publicitárias e trabalhos diversos que envolvem esse universo, Vanessa foi uma das primeiras mulheres a despontar em uma indústria que, como tantos outros segmentos artísticos, tinha uma predominância masculina. Comandou por 12 anos a parte de beleza do finado Esquadrão da Moda, no SBT, em que ajudava mulheres a realçar suas características com seus conhecimentos, e também formou muitas outras maquiadoras no Liceu de Maquiagem, escola que abriu em 2009, encerrou as atividades em dezembro passado e, a partir desse mês, abre suas portas novamente na Galeria Metrópole, no centro de São Paulo.

Vanessa Rozan

“Eu tenho uma sócia e mãe pisciana. Quando, lá atrás, eu estava sem rumo, sem saber o que fazer, ela foi a pessoa que apontou para a beleza como uma carreira. Andamos e Andamos pelas galerias e pelo centro em uma jornada para reencontrar o Liceu. Reencontrar a essência do negócio, coisa que mesmo antes da pandemia era algo perdido. Estávamos terceirizando as aulas e tínhamos inúmeros problemas de equipe. Fechar a escola em dezembro foi um alívio. Tivemos tempo para repensar tudo e hoje eu vejo que ali foi o fim de um ciclo. Quando encontramos o novo espaço, ainda não estava certa. Foi o processo de refazer tudo, pintar as paredes, pensar os espaços que me fez perseverar e ver o novo Liceu. Perseverar é o verbo que minha mãe conjuga na vida em todas as suas ações, então ela me ensina muito”, ela conta. “A gente se apaixonou demais pela Metrópole: pela história dela, pela varanda que ganhamos, pelos vizinhos. Vamos nos voltar agora para turmas menores, mais controle das aulas e atenção maior aos nossos alunos. Começamos em 2009 numa galeria e acho que voltar para uma galeria é muito simbólico. Não quero uma escola enorme e franquias, quero conhecer meus alunos, estar com eles, é o dá significado para o trabalho da escola.”

Além do Liceu, é possível aprender mais sobre beleza e dar boas risadas com o humor afiado de Vanessa em seu canal no YouTube, que começou no meio da pandemia e já acumula mais de 140 mil seguidores. Ela explica que nunca viu sentido em produzir mais um canal de tutorial de maquiagem, mas que, quando as gravações do Esquadrão foram suspensas por conta da pandemia, ela se lembrou de todas as conversas que ela teve durante os mais de dez anos de programa e que não couberam nos quatro minutos da edição. “Tanta coisa que, do meu ponto de vista de profissional da beleza e mulher, foi deixada de lado, muito além de como passar o delineador. Foi pra ter essas conversas e poder editar o que era realmente importante ser dito que veio o canal”, pontua.

Vanessa é a nossa convidada da semana da Cama Elástica, uma série de perguntas às vezes divertidas, às vezes sentimentais, que resgatam parte do passado de cada entrevistado e, ao mesmo tempo, o faz pensar no que vem por aí. O resultado você confere aqui embaixo: 

Continua após a publicidade
-
Arte/Redação

Qual sua qualidade favorita sobre você mesmo?
Minha capacidade de rir – de tudo, de mim, de todos.

E o defeito que você jamais mudaria?
Minha loucura com limpeza.

Onde você procura buscar inspiração naqueles dias em que não quer sair da cama?
Mãe não tem muita essa chance, né? Fora isso, os boletos, eles me inspiram muito. A fatura do cartão pra vencer também (risos).

Qual música não envelhece, não sai da sua lista de preferidas?
Difícil escolher uma só. mas vamos à mais icônica: Africa, Toto.

Qual livro mudou sua vida? Por quê?
Dois: Discurso da servidão voluntária e O segundo sexo. Ah, e Angela Davis no Mulheres, Raça e Classe. Foram como descortinamentos nos olhos (e na mente).

Descreva uma noite ideal para você
Um banho quente e OITO HORAS ININTERRUPTAS de sono. Zero romance ela.

Dê uma gongada gratuita em alguém
Até tenho uma pessoa em mente, mas não vale o destaque. Quero só gongar o presidente mesmo.

Continua após a publicidade

Como foi seu primeiro beijo?
No cinema, bem confuso e desajeitado como é a adolescência.

-
Arte/Redação

O que você diria para o maior desamor da sua vida (até agora)?
“Melhore”

O que é imperdoável para você em uma relação?
Já relevei muita coisa, mas ser desleal é imperdoável.

De qual trabalho seu você mais se orgulha?
Ainda sofro muito com a síndrome da impostora para poder me orgulhar. Sempre fico muito feliz de ver onde meus alunos do Liceu chegaram e o quanto contribuí para a indústria da beleza no Brasil nos últimos 20 anos. Tanto eu quanto a Fabi Gomes entramos num mercado em que os grandes maquiadores eram todos homens, ou em sua maioria, e pavimentamos esse lugar da mulher profissional que não só trabalha com isso, mas também reflete sobre beleza e padrões.

Qual a frase mais sábia que já te disseram?
“Vai passar, minha filha.”

Qual seria o título da sua biografia?
Uma deusa, uma louca, uma feiticeira.

E quem interpretaria você no cinema?
Eu mesma, preciso desse cachê.

Qual seria seu primeiro decreto como presidente da república?
Aborto seguro e legal.

-
Arte/Redação
Continua após a publicidade
Tags Relacionadas
mais de
expressão
Histórias para se emocionar e fazer pensar? Programação para curtir shows em segurança? Na nossa lista de dicas tem tudo
Ela quer mostrar a mulher que sempre esteve por trás da rapper: “Tenho vontade de falar de como me sinto com o empoderamento que encontrei aos 42 anos”
carnaval-em-madureira-1924-tarsila-do-amaral–foto-isabella-matheus_51386125966_o

Novamente 22

Por
MAM inaugura exposição “Moderno onde? Moderno quando?” questionando a importância de São Paulo para o Modernismo artístico brasileiro
Estética soviética ou jardins muito bem cuidados nos Estados Unidos? Não precisa escolher só um: aqui tem dicas pra todos os gostos
3-3-urias

Urias na Cama Elástica

Por
Única brasileira escolhida pelo Facebook para celebrar o mês da cultura latino-americana, a artista responde nosso questionário

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.