experimentação

A saga do plug homem

A internet, a insônia e os sex toys

por Sandra Aguiar 22 fev 2022 02h12
-
arte/Redação

u queria um plug anal. E um dia – na verdade, uma noite em que não conseguia dormir –, resolvi abrir o site de um sex shop. A quantidade de opções me deixou meio tonta, ainda mais de madrugada e sem saber exatamente o que queria.

As descrições são enigmáticas, e minha cabeça ferve a cada nova pergunta que me faço:
• O que seria um plug cristal se, na foto, o bichinho é cor-de-rosa? (Baratinho, vamos descobrir!)
• Por quê chamar um plug preto de metal de “plug homem”? (Achava que o mundo dos sex toys era mais agênero…)
• Todo mundo tem c*, não tem? (Certamente?)
• Eu não devia ter bebido café tão tarde… (Não devia.)
• Será que quero várias bolas enfileiradas logo na minha primeira incursão nesse universo? (Hummm…)
• Se dormir agora, quantas horas ainda consigo descansar? (2 horas e 47 minutos)
• Será que posso parcelar esse valor? (Até 3 vezes sem juros, bebê )

Uma semana depois, meu interfone tocou anunciando uma entrega. “Tá subindo no elevador”, avisou o porteiro. “O que será?” perguntou meu namorado, que é sempre surpreendido pelas compras, sejam elas feitas enquanto ele dormia ou depois de debater se a ração do gato tá acabando. A caixa era discreta por fora, bem suspeita. Afinal, que empresa não usa caixa de envio como propaganda hoje em dia? Sex shops. Sex shops não anunciam: “O seu dildo chegou!”. Então, ninguém saberia que eram os brinquedinhos da calada da noite – nem mesmo eu, que precisei abrir pra lembrar.

-
arte/Redação

O interior da caixa marrom era colorido e tinha várias camadas de papel de seda. De dentro dela saem os novos plugs, e uns lubrificantes de brinde. Pessoalmente, todas as dúvidas se esclarecem.

Continua após a publicidade

O plug rosa se chamava cristal porque a alcinha que fica pra fora era – já arranquei – decorada com uma pedra brilhante em formato de coração, uma coisa entre o meigo, o cafona e o bizarro. Perfeito pra você que fala ~fazer amor~ e gosta de explorar as possibilidades sem perder a ternura. Já o plug homem é assim:

-
plug/Reprodução

No fim das contas, a descrição era meramente descritiva mesmo. Fotografar um objeto preto brilhante não é nada fácil.

Acho que quero um freela de atualizadora de loja de sex toys, bem melhor que nomear cor de esmalte.

apoie

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
experimentação
Conversamos com a chef e ativista sobre política, alimentação e relacionamentos não monogâmicos
abre-manga-2

Muito pano pra Manga

Por
No Manga, restaurante de alta gastronomia em Salvador, ingredientes locais frescos são a estrela de um menu autoral, afetivo e muito bem feito
25_Rafael_Salvador_Tratadas-(25)

Futuro ancestral

Por
A cozinha vegana dos monges budistas japoneses é o destaque da vez no requisitado Aizomê, restaurante em São Paulo comandado pela chef Telma Shiraishi
Conheça os fãs que assumem os riscos e criam jogos com Pokémon, Donkey Kong, Liga da Justiça, entre outros personagens da cultura pop
Comidas levinhas e ricas em vitaminas e nutrientes ajudam o corpo a eliminar as toxinas do álcool

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.