estímulos

9 perfis mais comuns dos boys em apps de relacionamento

Uma conversa entre amigas sobre casos reais para mostrar como a mulher solteira sofre

por Beatriz Lourenço 25 jan 2022 22h31
-
Clube Lambada/Ilustração

uando estão buscando o amor, os solteiros passam por inúmeras frustrações: o ghosting, o pé na bunda, o tempo analisando o quanto se deve demorar para responder aquele oi (mais de uma hora é desinteresse?) e a escolha do filme favorito para colocar no perfil. Acontece que essa jornada que nos parece bem comum, foi acelerada com o avanço da tecnologia e, principalmente, com o advento dos aplicativos de namoro – o romance pode começar em minutos!

Por um lado, há quem reclame que eles deixaram os relacionamentos mais “líquidos” mas, por outro, é inegável que eles aumentaram as possibilidades para o cupido. Se antes a paquera acontecia no bar ou na balada, agora é possível enviar o “e aí, sumido” para pessoas que moram no outro lado do mundo. 

Existe uma gama ampla de nomes na hora de fazer o download, e cada um tem seu diferencial: No OkCupid, você pode responder centenas de perguntas para encontrar a pessoa mais parecida contigo. No Happn, é possível encontrar o crush nos lugares pelos quais você passou. O Tinder é o clássico e conta com um grande número de usuários – que aumentou durante a pandemia. Em março de 2020, os swipes do app atingiram seu pico: foram 3 bilhões em um único dia. E em 2021, isso se repetiu mais de 130 vezes. Uma análise feita pela empresa mostrou que os tópicos mais falados por lá são vacinação, dinheiro e até causas sociais. Não à toa, as menções a “pequenas coisas” aumentaram 30% nas bios no ano passado. É claro que os brasileiros expressaram esse sentimento sem deixar os memes de lado, usando frases que bombaram como: “Mó paz” e “É sobre isso, e tá tudo bem”.

A mulher que gosta de tomar iniciativa pode optar pelo Bumble, pois lá quem começa a conversa são elas. Inclusive, uma pesquisa feita pelos desenvolvedores mostrou que estar solteiro tem se tornado uma decisão cada vez mais consciente, principalmente por aqui, onde 34% dos entrevistados declarou estar mais cuidadoso do que antes, enquanto globalmente este número é de apenas 17%.

Após o fim do meu último relacionamento sério, eu fiquei seis anos solteira e usei todos esses recursos para encontrar caras legais. Nesse meio tempo, conheci pessoas ótimas, tive dates inesquecíveis, outros muito flopados e até fiz amigos. Ao falar com amigas, percebi alguns padrões de homens mais comuns no “cardápio online”. Para comentar sobre isso, chamei a Krishna, a solteira mais icônica da internet (alô, @kribshna) e autora do livro Os 10 (ou mais) Mandamentos da Solteira. Antes de começar, é sempre bom lembrar que o processo de conhecer alguém novo deve ser leve, divertido e bom para os dois lados. Não esqueça de carregar consigo a responsabilidade afetiva, ser você mesmo e, claro, se jogar no sentimento do friozinho na barriga.

Continua após a publicidade

O matemático

-
Arte/Redação

Quando olhamos a bio desse boy, já precisamos pegar a calculadora! É aquele que fica contando pontos se você usa o tipo de roupa que ele gosta, ouve as suas músicas favoritas ou tem um certo tipo de comportamento. “O amor não é uma ciência exata. Quando você passa a exigir algo muito específico, acaba se fechando para as surpresas que o outro pode proporcionar”, conta Krishna. Listar as qualidades da pessoa “perfeita” é idealizar alguém que não existe. Além disso, o tom pode ser inapropriado e até um tanto machista. Afinal, dá para trocar esses pontos por milhas?

Recém-solteiro

-
Arte/Redação

Para Krishna, esse tipo é um problemão. Como ele acabou de terminar, das duas, uma: ou aborda a ex-namorada em todas as conversas, ou marca mais de um date no mesmo dia para aproveitar a solteirice (errado não está!). Na hora de criar o perfil, esse boy escolhe as fotos mais antigas ou corta a foto com a ex, deixando aquele ar de mistério de quem está com ele na imagem. “O cuidado aqui é para não criar expectativa e acabar virando psicóloga ou mãe. Às vezes, a pessoa só quer alguém para conversar sobre o fim porque ainda não processou”, reflete. 

Mais inteligente do que você

-
Arte/Redação

Minha amiga Fernanda Talarico tinha acabado de entrar no Tinder quando viu um perfil com a descrição “eu sei mais sobre Overwatch do que você”. Apesar de achar ousado, seu dedo deslizou para a direita e veio o match. Quando a conversa se desenrolou, ela percebeu que o garoto não era uma pessoa nada legal. Para não dizer que isso nunca aconteceu comigo, posso contar a história de quando enviei um dos meus textos para um cara e ele me respondeu com um print corrigindo uma vírgula errada – papel que é exclusivo do meu editor.

O jornalismo em que a gente acredita depende de você; apoie a elástica

Pinóquio

-
Arte/Redação

“Eu dou dislike na hora quando a descrição diz que ele vai mentir a forma como nos conhecemos. Por qual motivo? Sabemos que a internet ocupa grande parte da nossa rotina e isso não é vergonha para ninguém”, diz a autora. Nessa categoria há quem minta a idade, o trabalho e até a altura. “Eu sou alta e prefiro sair com pessoas mais altas do que eu. Uma vez saí com um menino que mentiu sobre isso e quando nos encontramos ele era baixinho. Foi bem chato”. 

Catfish

-
Arte/Redação

Perfil fake pode até parecer algo de adolescente, mas é tão comum que já virou até série de televisão. “Uma vez caí nisso e não foi nada legal”, relembra Krishna. “Conversei com um homem por um mês e ele tinha fotos e histórias muito bem elaboradas. Porém, sempre arranjava uma desculpa quando eu chamava para sair. Quando eu o pressionei, ele disse que, na verdade, era uma mulher. Ela me bloqueou e eu nunca soube mais nada”. 

Aqui, duas dicas são essenciais: primeiro, confira as redes sociais do bonitão e veja se ele tem fotos com amigos, família e se parece uma pessoa de verdade. Além disso, fique de olho! Quando um homem enrola muito para o encontro, pode contar que há algo de errado – no meu caso, o garoto era comprometido. Falando nisso…

Comprometido

-
Arte/Redação

Todos que frequentam o mundo dos aplicativos já se depararam com o boy que tem um relacionamento aberto ou procura mais uma pessoa para apimentar sua relação. Pode ser que você descubra isso logo de cara com as fotos de casal e as legendas ou no meio do encontro, quando ele menciona que tem uma namorada. “Conheci um garoto no carnaval e tivemos um date maravilhoso até que, do nada, ele disse que era comprometido e eu fiquei em choque. É sempre melhor saber antes onde estamos pisando”, alerta Krishna. 

Mula sem cabeça

-
Arte/Redação

É uma variação do comprometido, mas sem a parte du companheire estar ciente de que ele está por aí de conversinha com outras pessoas. Para não ser identificado, esse boy corta o rosto das fotos e só publica partes do corpo – se é que vocês me entendem. 

Esquerdomacho

-
Arte/Redação

Se você nunca viu a querida Ademara interpretando o Esquerdomacho, essa é a hora! O Bumble e o OkCupid têm um filtro de preferência política, o que ajuda a eliminar quem é antivacina, votou no Bolsonaro ou é intolerante. Ao mesmo tempo, precisamos lidar com aqueles homens que parecem desconstruídos mas, no fundo, não são. Alguns até explicam para você o que é mansplaining e falam que sentem a desigualdade de gênero porque têm mãe. “Uma vez saí com um moço que se dizia feminista mas reclamava de pagar as despesas do filho que tinha com a ex. O maior red flag é quando um homem fala mal de uma mulher”, diz Talarico.

O match certo!

-
Arte/Redação

Calma! Nem tudo é tragédia. O boy certo existe e ele pode estar, sim, nesses aplicativos. Acontece que a perfeição tem mais a ver com o timing do que com a beleza, o sexo bom ou as conversas intermináveis. Na verdade, é possível encontrar inúmeras pessoas maravilhosas. Mas, nesse fluxo de dates da era moderna é preciso ficar atento porque tudo pode rolar: você perceber que gosta só depois do boy se apaixonar por outra, ter uma experiência ótima sem namorar ou conhecer aquele crush maravilhoso que está apenas de passagem pela sua cidade (situações hipotéticas, claro). 

A ideia é não desistir. O jogo do amor é um quebra-cabeça de tentativa e erro. E uma hora você encontra a peça que faltava. Conhecer alguém novo não é fácil e, para virar uma grande paixão, diversas variáveis precisam estar a seu favor. Se eu tenho uma certeza, é que mergulhar no mundo do romance vale a pena — e rende boas histórias. 

Disclaimer: não nos responsabilizamos em casos de identificação com algum dos perfis listados.

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
estímulos
Técnicas, dicas, cuidados e recomendações de sexólogos para curtir sozinho, sozinha e também com parceiros
gounageArtboard 1

Elástica explica: gouinage

Por
Entenda mais sobre a prática de sexo sem penetração, de onde surgiu o nome e como praticá-la em segurança
Tem gente que jura que a cannabis é um santo remédio para a insônia – mas será? O que a ciência já sabe sobre como a erva afeta os padrões do nosso sono
mahmoud-abre

Foco nas preliminares

Por
Sexólogo e estrela nas redes sociais, Mahmoud Baydoun lança livro com 69 técnicas de sexo oral para você chupar aquilo que bem entender
maconha e férias boia abre

De férias da maconha

Por
Já sentiu que quanto mais você fuma, menos você chapa? Isso se chama tolerância! Vamos explicar melhor por que isso acontece

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.