envolvimento

8 de março: Dia da Invisibilidade

A deputada Erica Malunguinho fala sobre a falta de representatividade para mulheres trans no Dia Internacional da Mulher

por Erica Malunguinho Atualizado em 9 mar 2022, 12h05 - Publicado em 7 mar 2022 23h44
O

 8 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, é aquele momento do ano em que a mídia hegemônica circula imagens de mulheres que se desdobram em funções das mais diversas, com atribuições consideradas inerentes a sua existência quanto ao serviço de casa, maternidade e trabalho. Nas empresas, as mensagens corporativas enviadas às funcionárias, nos cartões dos buquês de flores e nos bombons, a ideia que prevalece é de uma mulher que “luta sem perder a sensibilidade”, de “mãe devotada que protege e ajuda a todos”, a de “profissional competente que não perde a feminilidade”. Normalmente as mulheres escolhidas para as reportagens e comerciais de TV que lembram a data ocupam funções que secularmente foram vistas como “masculinas”, enquanto o zoom da câmera foca nas unhas coloridas e no batom, visando destacar o quanto são “mulheres” apesar de ocupar tais funções.

apoie

Neste contexto, vale sublinhar, que a imagem da mulher representada nas celebrações, geralmente, diz respeito à figura feminina nos padrões europeus. As mulheres negras e indígenas há muito reivindicam reconhecimento e representação e, pensando quanto à formatação da data da homenagem, se faz importante lembrar que esta foi firmada a partir de um movimento de trabalhadoras que ainda não nos incluía, enquanto negras e indígenas, desconsiderando por exemplo o trabalho doméstico e, antes disso, as relações de produção nos nossos territórios de origem e/ou em zonas rurais.

“Se essa disparidade relativa ao reconhecimento de mulheres negras cis já é bastante incômoda, nos níveis mais sombrios desse “legado” emerge outra representação, carente de quaisquer cuidados ao longo de toda a história: a das mulheres trans”

Continua após a publicidade

Perante essa realidade, voltemos ao indispensável papel de mulheres negras como Sojourner Truth, abolicionista e ativista pelos direitos da mulher, que, em 1851, na Convenção dos Direitos da Mulher em Akron, proferiu a tão simples quanto significativa fala: “E não sou uma mulher?”.

Se essa disparidade relativa ao reconhecimento de mulheres negras cis já é bastante incômoda, nos níveis mais sombrios desse “legado” emerge outra representação, carente de quaisquer cuidados ao longo de toda a história: a das mulheres trans. Se por um lado a luta delas já reverbera em pequenas vitórias, a mulher transgênero ainda luta pelo direito de existir.

A mulheridade da mulher trans precisa ser vista, colocada em lugar de não-questionamento. Por muito se entende, dentro de um olhar sob os estereótipos sociais, que a mulher trans oprime o domínio do homem machista, que não a enxerga como mulher, e até mesmo alguns grupos de mulheres, que aderem à rivalidade ao invés da sororidade. Esse conceito, fortalecido na atualidade por meio de figuras públicas que esbanjam ódio contra a população trans, nos leva para um lugar de marginalidade, de não existência enquanto seres humanos.

Gosto da ideia de transfeminismo para pensar as intersecções entre as questões próprias das mulheres trans e os demais feminismos, como um campo fronteiriço de diálogo, de trocas e até mesmo de disputas. Esse lugar de fronteira deve ser entendido, portanto, como lugar de encontro. O transfeminismo faz fronteira com o feminismo negro, com o feminismo lésbico, com o feminismo socialista, com o ecofeminismo; e essas fronteiras são intersecções essenciais às demandas da mulher como corpo social plural. A mulheridade da mulher trans não se situa no âmbito do biológico, mas está completamente sintonizada com o ser e sua identificação.

Continua após a publicidade

-
Erica Malunguinho/Arquivo

Somos mulheres!

Por essa e por outras, nem sempre nos lembramos das mulheres trans no dia 08 de março. Nos incluir é muito importante para nossa sobrevivência. Já é assunto até de reality show televisivo que o Brasil é o país que mais mata pessoas trans no mundo. E esse número aumentou 42% na pandemia. Em 2021, de 140 pessoas trans mortas, 135 eram mulheres e cinco eram homens. Estamos sempre repetindo esses números não porque gostamos de falar de violência, mas ao contrário: porque queremos que  a violência deixe de existir.

“Nem sempre nos lembramos das mulheres trans no dia 08 de março. Nos incluir é muito importante para nossa sobrevivência. Já é assunto até de reality show televisivo que o Brasil é o país que mais mata pessoas trans no mundo. E esse número aumentou 42% na pandemia”

Essa violência se manifesta na exclusão da juventude trans dos ambientes de sociabilidade sadia: 72% das mulheres trans e travestis não concluíram o ensino médio, e 56% não finalizaram o ensino fundamental, fatores que as levam para a marginalidade. As escolas não se preparam para receber, educar e socializar pessoas trans e o resultado é literalmente a morte.

Amanhã completará um mês que uma estudante trans sofreu grave violência no interior de uma escola estadual em Mogi das Cruzes. Meninas e mulheres trans não têm seus corpos protegidos nem mesmo dentro da escola. É urgente que tenhamos compromisso com a manutenção destas vidas. O Brasil não pode seguir de olhos vendados para essa realidade.

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
envolvimento
abre-maes-solos-13

Quem cuida das mães solo?

Por
Reunimos relatos de mulheres que já passaram por situações negativas apenas por estarem com seus filhos, escancarando nossa sociedade individualista
Oito das doze escolas do Grupo Especial carioca desfilam com enredos sobre a cultura negra, mas nenhuma tem carnavalescos negros
O livro “Um Tambor Diferente” parte de uma diáspora invertida para jogar na cara o racismo e a dependência que temos dos pretos em nossas vidas
Conversamos com a empresária sobre a desigualdade no mundo do trabalho, sua vontade de mudar o mundo e como a educação é uma saída para mais oportunidades
Genocídio indígena, abertura e desmatamento da Amazônia e obras de infraestrutura balizaram aparato político-ideológico do regime

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.