estímulos

Voltar a se relacionar

Com o aumento gradativo das interações sociais, matamos um pouco a vontade de transar com mais pessoas. Mas 2021 ainda foi um ano para repensar relações

por Redação Atualizado em 10 jan 2022, 16h56 - Publicado em 2 jan 2022 13h38
-
Clube Lambada/Ilustração

h, que delícia sair de casa! Viajar, fazer um rolê, sair para dançar, aproveitar uma tarde no parque. Com nossos corpinhos vacinados, estamos pouco a pouco voltando às nossas rotinas pré-pandêmicas, e isso significa que o amor e o tesão estão no ar. E, se estamos loucos para transar – ou transando como loucos, por quê não? –, 2021 seguiu um pouco a tendência do ano passado, em que fomos obrigados a nos centrar e repensar aspectos muito íntimos das nossas vidas.

O jornalismo em que a gente acredita depende de você; apoie a elástica

Neste ano, uma pesquisa realizada nos Estados Unidos descobriu que 1 em cada 6 americanos nascidos a partir do ano 2000 se encaixam no espectro LGBTQIA+. Se a Geração Z cresce ao mesmo tempo que as barreiras de gênero e relacionamento vêm sendo quebradas, pesquisas recentes também mostram que esses jovens estão cada vez menos preocupados com sexo e casamento.

-
Estúdio Passeio/Ilustração

2021 foi um ano de discussões sobre liberdades em relação ao sexo e ao corpo. Na América Latina, tanto a Argentina quanto o México descriminalizaram o aborto. Aqui no Brasil, uma em cada 5 mulheres já fizeram aborto, revelam dados da Pesquisa Nacional do Aborto, mas a pressão de lideranças religiosas e de políticos conservadores ainda travam a pauta no país.

Em um contexto que também dificulta a educação sexual, urge a necessidade de falar sobre métodos contraceptivos para homens e mulheres. Afinal de contas, o Brasil é um país que registra uma taxa de 80% de relações sexuais realizadas sem camisinha, um lugar onde o machismo ainda reserva à mulher quase que exclusivamente o dever de evitar um filho indesejado.

Continua após a publicidade

-
Kareen Sayuri/Ilustração

Se isso não bastasse, ainda há quem faça stealth, uma prática odiosa que é também é uma forma de estupro, e que consiste no parceiro tirando a camisinha sem avisar na hora da relação sexual. Nós ouvimos relatos de quem já sofreu stealth.

-
Bruna Maia/Ilustração

No meio de tanta coisa errada, ainda existem homens que têm procurado repensar aspectos da sua masculinidade. Uma das correntes que ganham força nesse processo é a do ensino ao tantra, conjunto de técnicas indianas com foco na troca íntima e no prazer. Para quem é mais bem resolvido, o assunto nunca fica velho. Como nós, por aqui, adoramos falar sobre isso, preparamos um especial falando sobre fetiches, e por quê você deveria experimentá-los. Perfeito para aqueles momentos íntimos em casa a dois, ou três, ou…

-
João Barreto/Ilustração

E já que estamos falando em fetiches, outro fenômeno que sempre foi enorme mas explodiu com a pandemia foram as cam girls. Nós acompanhamos a vida de meninas que transmitem ao vivo shows com seus corpos e mostramos uma realidade que vai do prazer à solidão – que é apenas um dos gatilhos que podem desencadear um vício em pornografia. Enquanto os sites dedicados a vídeos e outros conteúdos estouraram de audiência com a pandemia, tornou-se necessário refletir sobre os limites de consumir pornografia e de borrar os limites entre o que é realidade e o que é uma atuação.

-
Arte/Redação

E o ano em que falamos sobre mais do que nunca sobre inclusão na hora do sexo não poderia terminar sem ouvirmos os relatos de mulheres portadoras de condições especiais que não abrem mão de suas vidas sexuais, descobrindo auto estima, carinho e prazer com seus parceires.

Continua após a publicidade

Tags Relacionadas
mais de
estímulos
pexels-rodnae-productions-5637703b

Paixão em toda idade

Por
As relações depois dos 60 anos tendem a ser mais satisfatórias e libertadoras para as mulheres, que aproveitam a fase para quebrar tabus sobre a vida sexual
Técnicas, dicas, cuidados e recomendações de sexólogos para curtir sozinho, sozinha e também com parceiros
gounageArtboard 1

Elástica explica: gouinage

Por
Entenda mais sobre a prática de sexo sem penetração, de onde surgiu o nome e como praticá-la em segurança
Tem gente que jura que a cannabis é um santo remédio para a insônia – mas será? O que a ciência já sabe sobre como a erva afeta os padrões do nosso sono
mahmoud-abre

Foco nas preliminares

Por
Sexólogo e estrela nas redes sociais, Mahmoud Baydoun lança livro com 69 técnicas de sexo oral para você chupar aquilo que bem entender

Não é ? Sair.

Ter independência no discurso, manter uma rede diversa de colaboradores, remunerar bem a todos e fomentar projetos sociais são bases fundamentais para a Elástica.
Vivemos de patrocínios de empresas que acreditam em nosso discurso e nossas causas, além da colaboração dos nossos leitores através de assinatura digital. Na página de Contas Abertas você pode ver os valores que hoje a Elástica arrecada, e conferir os custos que incorremos para produzir o conteúdo que oferecemos.